Operação Cevada prende auditora e empresário no Pará

A auditora fiscal da Secretaria da Fazenda do Pará Marta Gomes Benchimol e o empresário de uma distribuidora de bebidas Sandro Luís Guedes Barbosa foram presos, em Belém, pela Polícia Federal, acusados de participação em um esquema de sonegação fiscal. Tanto na residência de Benchimol como na empresa de Barbosa, a PF apreendeu diversos documentos.O esquema, que funcionava em 12 estados, envolvia um conglomerado de empresas, começando nas fábricas e passando também pelas distribuidoras. De acordo com o superintendente da Receita Federal no Pará, José Tostes Neto, a fraude contra os cofres públicos também contava com a participação de funcionários da receita estadual com a liberação de notas fiscais falsas."Havia emissão de notas fiscais subfaturadas para distribuidoras e revendedoras; emissão de notas para Estados com alíquota de ICMS menor do que o Estado de origem; exportações fictícias; registro de declarações de vendas para o exterior que nunca existiram, além de importações superfaturadas", disse Tostes Neto.A PF e a Receita Federal paraense ainda não sabem estimar o valor da sonegação. Isso ainda depende de um levantamento que será feito em cima de documentos. Tostes acredita que somente a partir de agora, com a ação ofensiva da PF, será possível mapear, através de investigação nas empresas, o real montante da fraude e o período em que elas estavam sendo praticadas.Os presos em Belém, informou o superintendente da PF José Sales, ficarão na sede do órgão até a deliberação da justiça. Eles serão interrogados e devem responder, depois de concluídas as investigações, pelos crimes de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, fraude com comércio exterior e corrupção ativa e passiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.