Divulgação
Divulgação

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Operação ‘olho no rolo’ descobre papel higiênico mais curto que o prometido

Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) constata que consumidores estão sendo lesados em 32,7% dos casos

Economia & Negócios,

16 de abril de 2013 | 19h45

SÃO PAULO - O Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem) concluiu nesta terça-feira a operação "Olho no Rolo" e anunciou que foram encontradas irregularidades  nas medidas de 18 das 55 marcas de papel higiênico analisadas em laboratório pelos fiscais. O resultado indica que 32,73% dos papéis higiênicos pesquisados estão com metragem menor que a indicada ou com outros tipos de irregularidade.

Foram conferidos comprimento e largura de produtos de uso doméstico e institucional, além da forma como são feitas as indicações das dimensões nas embalagens. Os dados devem obrigatóriamente ser informados de forma correta, mas nem todas as marcas estão cumprindo a lei, segundo o Ipem. A fiscalização foi feita nos laboratórios do IPEM de São Paulo nas cidades de Bauru, Campinas, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São Carlos, São José dos Campos e São José do Rio Preto.

Em 2012, a mesma operação reprovou 29,09% dos 55 lotes de papel higiênico de uso doméstico e empresarial por apresentarem dimensões em desacordo ao indicado na embalagem pelo fabricante. As empresas autuadas pelo instituto terão dez dias para apresentar defesa ao órgão. As multas serão estipuladas depois de analisadas as respectivas defesas.

As multas podem variar entre R$ 100 e R$ 1,5 milhão. No caso dos produtos pré-medidos (pesados e medidos sem a presença do consumidor), o valor mínimo é de R$ 640 e o máximo, de R$ 30 mil. Esses valores valem para as primeiras autuações e com apresentação de defesa, podendo dobrar em casos de reincidência.

Veja as 18 marcas de papel higiênico reprovadas pelo Ipem:

 - Irapuru (300m x 10cm): de cinco rolos, um apresentou menos papel;

- Malipel (600 m x 10 cm): todos os cinco rolos avaliados eram mais curtos; um deles, estava quase pela metade;

- Nobre (300 m x 10cm): cinco amostras ofereciam menos papel que o prometido;

- Ouropel (300m x 10cm): de cinco amostras, todas estavam irregulares;

- Softel (300m x 10cm): das cinco provas feitas, três apontaram erros;

- Global Paper (300m x 10cm): todas as cinco amostras eram irregulares;

- Daypell (300m x 10cm): das 13 amostras, todas apresentaram erros de comprimento;

- Dobbly (300mx10cm): todas as 13 amostras foram reprovadas;

- Bompell (600m X 10cm): de 13 amostras, todas eram mais curtas e oito, menos largas;

- Bompell (300m X 10cm): as cinco amostras foram reprovadas;

- Melipel (300m X 10cm): todas as 13 provas estavam mais curtas:

- Lordd (30m x 10cm): de 20 amostragens, três apresentaram erros;

- Softel (300m): dos 13 rolos avaliados, oito foram reprovados;

- Nobre (300m): todas as 13 amostras foram reprovadas;

- Duque (300m x 10cm): todas as 13 amostras foram reprovadas;

- Vidypel (300m x 10cm): de cinco amostras, todas eram mais curtas e mais estreitas;

- Dubom (300m): reprovação das cinco amostras avaliadas;

- Delicatto (8 rolos de 30m x 10cm): de cinco avaliações, quatro apresentaram erros de comprimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.