Operação padrão paralisa 10 navios no porto de Santos

A movimentação de cargas no Porto de Santos está prejudicada pela operação padrão iniciada nesta segunda-feira pelos estivadores. O protesto deve terminar apenas às 7 horas de quinta-feira e o sindicato da categoria informa que a adesão é de 100%. Segundo o Órgão Gestor de Mão-de-Obra (Ogmo), 10 navios ficaram completamente parados ontem. A categoria, que tem mais de 5 mil trabalhadores, quer reajuste no valor da diária e na quantia paga a título de produtividade. Segundo o site A Tribuna, o último aumento foi dado em 1997. Além disso, os funcionários reclamam de falta de segurança e higiene. Os operadores portuários chegaram a apresentar proposta de reajuste para os trabalhadores, mas ela foi recusada pelos estivadores. Segundo o sindicato, o índice de reajuste se aproxima do reivindicado, mas reduz em mais de 70% o volume de trabalho para o pessoal da estiva. Isso porque as empresas querem ter direito à livre requisição de trabalhadores por meio do Ogmo. Hoje, a categoria é protegida pelo acordo coletivo de 1997, que estabelece uma quantidade mínima por turno de trabalho, de acordo com o tipo de carga. A assessoria de imprensa do sindicato patronal informou que só vai negociar depois de receber oficialmente o posicionamento do Sindicato dos Estivadores em relação à última proposta enviada, que prevê 50% de reajuste (metade no momento da assinatura da convenção coletiva e o restante sete meses depois). A data-base da categoria é 1º de março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.