Operador do Société diz que seus superiores sabiam de fraude

Jérôme Kerviel diz que seus superiores 'fecharam os olhos' para o que estava fazendo no banco francês

29 de janeiro de 2008 | 17h08

Jérôme Kerviel, suspeito de ser autor de golpes que causaram perdas financeiras de 4,9 bilhões de euros ao banco francês Société Générale, sugeriu em seu depoimento à polícia que seus superiores sabiam do que estava fazendo, segundo informações da agência AFP, citando uma fonte judicial. Kerviel foi interrogado no último final de semana durante 48 horas por policiais da Brigada Financeira, um braço da polícia da França, encarregada da investigação preliminar. "Não é possível acreditar que meus superiores não sabiam dos montantes que eu colocava em jogo, é impossível obter esse nível de benefícios com pequenas somas", indicou o operador, segundo trechos de sua declaração que foi divulgada em site francês, Mediapart. "O que me leva a dizer que quando estou 'no positivo' (sem perdas), meus superiores fecham os olhos", disse Kerviel, para quem houve vários alertas antes da declaração pública de perdas.  Segundo o procurador de Paris, Jean-Claude Marin, o trader de 31 anos explicou em seu depoimento que inventou compradores falsos para algumas de suas posições em bolsas de valores, o que fez com que o banco acreditasse que o dinheiro não estava em perigo.

Tudo o que sabemos sobre:
Société GénéraleJérôme Kerviel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.