Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Operadora internacional poderá assessor Infraero

O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Wellington Moreira Franco, comemorou nesta sexta-feira, 22, o resultado do leilão de Galeão e Confins. Ele disse que o governo finalizou a primeira etapa para o desenvolvimento dos aeroportos do País, o qual envolveu concessão dos maiores aeroportos brasileiros. O próximo passo, será o desenvolvimento dos aeroportos regionais e o fortalecimento da Infraero, que seguirá como administradora de dezenas de aeroportos no Brasil, afirmou Moreira Franco.

WLADIMIR D'ANDRADE; LUCIANA COLLET E FERNANDA GUIMARÃES, Agencia Estado

22 de novembro de 2013 | 15h03

O ministro destacou a necessidade da Infraero preparar a sua estrutura para o atual ambiente de competição dos aeroportos. Para isso, disse que o governo abrirá uma licitação para contratar uma grande operadora internacional para fazer assessoria para auxiliar a SAC e Infraero. "Iremos contratar uma grande operadora para nos dar assessoria e transformar a Infraero em uma operadora e não só acionista. Queremos que os brasileiros que usem os demais aeroportos (fora os que passaram para administração do setor privado) sintam o mesmo (em termos de qualidade) do que aqueles que usam os aeroportos que foram leiloados", disse. No entanto, ele afirmou que a licitação para a contratação dessa operadora ainda não tem data para ocorrer.

Nesta sexta-feira, 22, o governo arrecadou R$ 19,018 bilhões por Galeão e R$ 1,820 bilhão por Confins. Segundo Moreira Franco os números do leilão e a qualidade dos operadores envolvidos mostram o sucesso do processo licitatório."O resultado foi positivo e mostra o acerto da metodologia", disse o ministro. "É claro que existem desafios. A infraestrutura no Brasil tem uma gama imensa de oportunidades e precisamos de muitos players por conta do volume de investimentos necessários", completou. Em Galeão o consórcio vencedor foi liderado pela Odebrecht, que se uniu à Changi. Em Confins, a CCR saiu vencedora do certame, ao lado da Zurich Airport International e da Munich Airport International.

Antes de Galeão e Confins já foram privatizados no ano passado os aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília. A Infraero será sócia dos dois aeroportos licitados nesta sexta com uma participação de 49%. O mesmo porcentual é visto nos aeroportos leiloados em 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
concessõesaeroportosgaleãocofins

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.