Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Operadoras de TV e internet devem ressarcir clientes por interrupção de serviço

Segundo determinação da Anatel de 2014 publicada somente nesta quinta-feira, ressarcimento deve ser feito independente da solicitação do cliente ou do motivo da interrupção

Anne Warth e Luci Ribeiro, O Estado de S. Paulo

18 de junho de 2015 | 15h18

Atualizada às 18h42

BRASÍLIA - A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou nesta quinta-feira, 18, que as operadoras de TV por assinatura são obrigadas a fazer o ressarcimento automático, aos usuários, por falhas nos serviços contratados. 

Apesar de o despacho ter sido publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União, a decisão se refere a medidas adotadas em 28 de fevereiro de 2014. A agência não informou a razão do despacho ter sido publicado um ano e quatro meses depois da data original. O órgão regulador esclareceu, porém, que as empresas foram notificadas da decisão na época e tiveram seis meses para adaptar seus sistemas.

A Anatel informou ter realizado fiscalizações para verificar o cumprimento das determinações e constatou que houve melhora no processo de ressarcimento aos usuários por falhas nos serviços. O órgão, porém, ainda não concluiu a análise final. 

Caso constate descumprimento das determinações, a agência vai instaurar procedimentos para apuração de descumprimento de obrigações (Pados) que, se comprovados, poderão resultar em multas de até R$ 20 milhões. A medida atinge as empresas Algar Telecom, Oi, Vivo, Net/Claro/Embratel, Tim, GVT, Sercomtel e Sky. 

Segundo o despacho, os créditos devem ser concedidos automaticamente para todas as interrupções no serviço, independentemente de solicitação do usuário e da quantidade de assinantes atingidos ou da causa da interrupção, "com valor atualizado e vinculado ao evento, resultante de interrupção programada, não programada, parcial ou total, auto recuperada ou sob degradação de sinal, especificando as informações devidas na fatura".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.