Operadores da Bolsa param por uma hora amanhã

Os operadores da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) vão parar por uma hora amanhã, para protestar contra o esvaziamento do mercado de capitais brasileiro. Em assembléia realizada ontem na frente ao prédio da Bolsa, os profissionais decidiram que as negociações do pregão viva-voz e do sistema eletrônico serão paralisadas das 12 às 13 horas.O protesto é uma resposta ao "Brazil Day", que reunirá autoridades e empresários brasileiros na Bolsa de Valores de Nova York, em 7 de setembro. O evento foi criticado pelos profissionais, que consideram que o mercado nacional está sofrendo as conseqüências da migração dos investimentos para os American Depositary Receipts (ADRs), papéis de empresas do Brasil negociados nos EUA.O presidente da Bovespa, Raymundo Magliano Filho, considera legítimo o movimento contra o "Brazil Day". Segundo ele, o mercado paulista movimentava cerca de R$ 1,2 bilhão por dia em 1997 e hoje está próximo de R$ 350 milhões. Havia mil operadores em 1997 e atualmente são cerca de 350. As corretoras brasileiras empregavam 45 mil pessoas, número que caiu para 14 mil.De acordo com o presidente do Conselho de Operadores, Representantes e Profissionais de Bolsa (Corp), Welinton Balderrama dos Reis, o movimento de amanhã tem o objetivo de chamar a atenção do governo para dois grandes problemas do mercado: a cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e o aumento da alíquota de Imposto de Renda nas aplicações em renda variável, de 10% para 20%, a partir de janeiro de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.