Divulgação
Divulgação

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Operários de fábrica da Volvo no Paraná cruzam os braços por reajuste salarial

Montadora ofereceu corrigir salários pela metade da inflação

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2016 | 20h09

Em campanha salarial, os operários da Volvo paralisaram nesta terça-feira, 4, a produção na fábrica da montadora no Paraná em protesto contra a proposta da empresa que prevê correção dos vencimentos por apenas metade da inflação. A reivindicação dos trabalhadores, a exemplo de acordos feitos com outras empresas da região, é por um aumento de 9,62%, o equivalente à reposição de toda a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em doze meses até a setembro, data-base de revisão salarial na Volvo.

Uma nova assembleia na porta da fábrica está marcada para esta quarta-feira, às 7 horas, para definir os rumos do movimento. Ontem, os operários já tinham paralisado as linhas de produção da montadora por duas horas, levando a multinacional de origem sueca a estender o expediente por uma hora, o que também foi alvo de protesto dos trabalhadores. Segundo o sindicato dos metalúrgicos da região, a realização de hora extra teria que ter sido avisada com 48 horas de antecedência, conforme previsto no acordo coletivo.  

Entre produção e departamentos administrativos, cerca de 3,2 mil pessoas trabalham na fábrica da Volvo, que produz caminhões e ônibus numa zona industrial de Curitiba. Por conta da grave crise enfrentada pela indústria de veículos comerciais, onde a ociosidade passa de 70%, a montadora fechou nos últimos dois anos um dos dois turnos de produção e eliminou mais de 700 vagas - a maioria, cerca de 500, por meio de um programa de demissão voluntária (PDV) realizado em 2015.

Em maio, a empresa fechou acordo com o sindicato para abrir um novo PDV, que segue aberto até 5 de dezembro com o objetivo de reduzir um excesso de mão de obra estimado em 400 trabalhadores.

Números preliminares mostram que o mercado de caminhões continuou em queda livre no mês passado, quando as vendas, de 4,1 mil unidades, encolheram em 30,1% na comparação com setembro de 2015 e 5,8% em relação a agosto. O balanço consolidado do mês será divulgado amanhã pela Fenabrave, a entidade que abriga as concessionárias de veículos.

Tudo o que sabemos sobre:
VolvoParanáINPCCuritiba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.