AFP PHOTO / ARIS MESSINIS
AFP PHOTO / ARIS MESSINIS

Oposição não forma governo e primeira-ministra interina é nomeada na Grécia

Chefe da Suprema Corte grega, Vassiliki Thanou-Christophilou, será primeira-ministra interina até a realização de novas eleições

O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2015 | 15h56

ATENAS - A Grécia está para iniciar sua segunda campanha eleitoral este ano, após partidos de oposição, como se esperava, admitirem que não têm condições de angariar maioria no Parlamento para substituir o governo de Alexis Tsipras e seu partido, o esquerdista Syriza.

O líder do partido criado recentemente por dissidentes do Syriza, Panagiotis Lafazanis, devolveu o mandato para a formação de um governo - que tratava-se mais de uma formalidade do que uma oportunidade política - para o presidente da Grécia, Prokopis Pavlopoulos. O Unidade Popular, como a nova legenda é conhecida, foi criado um dia depois de Tsipras renunciar como primeiro-ministro e convocar eleições antecipadas para setembro.

Com isso, Pavlopoulos nomeou a chefe da Suprema Corte grega, Vassiliki Thanou-Christophilou, como primeira-ministra interina, como determina a lei grega. Vassiliki, que terá como única tarefa liderar a Grécia até o dia das eleições nacionais, será a primeira mulher a assumir o cargo no país. O gabinete interino completo vai tomar posse amanhã.

O decreto presidencial para a dissolução do Parlamento e o anúncio da eleição são esperados para esta sexta-feira. A data mais provável para o pleito é 20 de setembro.

Em sua última entrevista ante de renunciar, no último dia 20, Tsipras disse esperar que voltará ao poder com maioria absoluta. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
grecia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.