Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Oposição ''não sabe mais o que fazer'' e ''mente descaradamente'', diz Lula

Um dia depois de o governo anunciar o projeto para tributação de parte das cadernetas de poupança, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostrou que não gostou de ver a medida comparada ao confisco feito pelo ex-presidente Fernando Collor. Ele disse ontem que o mesmo grupo da oposição que o critica apoiou Collor no passado. "É importante lembrar que essa parte da oposição que critica estava com Collor em 1989."Lula acusou os adversários de mentirem "descaradamente". "Eu ouvi alguns discursos da oposição e não sei como é que as pessoas descaradamente mentem para a opinião pública, achando que a opinião pública não tem inteligência para perceber o desplante das acusações", disse, após participar, à noite, da abertura da 9.ª Conferência Global sobre Viagens e Turismo, em Florianópolis.Para o presidente, a oposição "não sabe mais o que fazer". E prosseguiu: "Tenho muita pena de um País que tem uma oposição que perdeu o discurso e aí começa a falar coisas que nem eles acreditam". O centro da polêmica é a proposta que governo divulgou anteontem, prevendo a cobrança de Imposto de Renda dos depósitos em poupança acima de R$ 50 mil a partir de 2010. "Nós não mexemos na poupança. 99% dos poupadores ficarão como estavam. O que nós não podemos, por responsabilidade, é permitir que a poupança vire um fundo de investimento."O presidente mandou um recado aos grandes investidores que começavam a ver na poupança uma opção mais atraente. "O que nós queremos é que essas pessoas invistam no setor produtivo, que comprem um apartamento, um carro, uma casa, que comprem ações."

Silvia Amorim, FLORIANÓPOLIS, O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.