Orçamento da CEF para habitação deve dobrar em 2004

O presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Jorge Mattoso, afirmou que o volume de recursos destinado para habitação em 2004 deve ficar entre R$ 6 bilhões e 7 bilhões, ante R$ 3,2 bilhões este ano. Mattoso observou que 70% do orçamento de crédito para habitação de janeiro a 10 de outubro já foi consumido e que para encerrar o ano a instituição estuda um suplemento de mais R$ 500 milhões. Segundo ele, 60% dos financiamentos para habitação este ano foram destinados à famílias de baixa renda (até cinco salários mínimos) e para o próximo ano serão destinados 67% para a mesma faixa de renda.CríticasMattoso criticou as propostas das centrais sindicais para o uso dos recursos do FGTS. Ele considera que a utilização de 50% dos saldos das contas de FGTS para aquisição de material de construção, como reivindica as centrais, é "inviável", pois, segundo ele, não há como controlar o uso dos recursos e os saques atingiriam R$ 37,5 bilhões, causando desequilíbrio nas contas do Fundo.Mattoso considerou também inviável a proposta das centrais sindicais do uso da conta vinculada do FGTS para garantia de empréstimos feitos pelas instituições financeiras, pois quebra o princípio de que as contas são impenhoráveis, impossibilita o trabalhador de usar o saldo da conta para outras modalidades de saque (demissão, compra de imóvel, etc) e induz ações judiciais de credores sobre as contas para pagamento de dívidas em geral. "Isso inviabilizaria e desvirtuaria a natureza do FGTS."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.