Orçamento é exeqüível, diz Mantega

O ministro do Planejamento, Guido Mantega, disse que acha "perfeitamente exeqüível" o Orçamento Geral da União para o próximo ano, com um aumento "razoável" de receita de R$ 41 bilhões. "É claro que tudo vai depender do crescimento da economia", observou o ministro , em entrevista do programa Bom Dia Brasil, da TV Globo. Mas ele está confiante. Segundo o ministro, os números da economia já estão mostrando esse crescimento e que o aquecimento da economia já pode ser detectado em alguns setores como eletroeletrônico e de embalagens. Guido Mantega prevê que no último trimestre do ano a economia já estará aquecida e, em 2004, o crescimento econômico estará bem delineado. O ministro do Planejamento nega que o orçamento de apenas R$ 400 milhões para o Fome Zero, em 2004, indique um esvaziamento do programa. "Pelo contrário, o governo fortaleceu os programas sociais, como o Fome Zero", afirmou o ministro. Ele explicou que para 2004, o governo decidiu unificar e racionalizar os recursos dos programas sociais para que eles cheguem juntos às famílias necessitadas. "O efeito social será maior", explicou o ministro. Com relação ao Ministério da Integração Nacional, que receberá mais recursos em relação a outras pastas, Mantega justificou que boa parte do dinheiro será destinada à "revitalização" do Rio São Francisco. "O presidente Lula quer implantar (o projeto) no País, porque vai resolver o problema da seca em 11 Estados", afirmou. Mantega observou que o dinheiro previsto no orçamento de 2004 será apenas para começar o projeto que levará quatro anos só para a implantação da primeira fase.Receita asseguradaO ministro disse que está praticamente assegurada a receita para a execução do orçamento da União de 2004. Segundo ele, as duas grandes receitas previstas são a CPMF e a alíquota máxima de 27,5 % no Imposto de Renda da Pessoa Física, que têm sido aprovadas a cada ano pelo Congresso Nacional. "Não vejo maiores dificuldades. O Congresso não vai deixar de aprovar essas receitas. Portanto eu diria que está praticamente assegurada a receita para a execução desse orçamento", disse o ministro. O ministro do Planejamento afirmou ainda que para 2004 haverá recursos para a revitalização da malha viária. Além disso, afirmou, o governo está estimulando o regime de concessões para o setor privado que, segundo Mantega, está interessado em recuperar as rodovias. "Nós estamos estimulando o regime de concessões, porque o dinheiro do setor público é limitado. Por mais que a gente faça um esforço, aloque mais recursos, não é suficiente. Nós precisamos de muitos bilhões para esse setor", disse o ministro. Com isso, segundo Mantega, o governo terá um volume de investimentos suficientes para a recuperação da malha viária.

Agencia Estado,

29 de agosto de 2003 | 08h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.