Orçamento familiar contribuiu para confiança, diz FGV

A maior confiança dos consumidores no mês de junho foi diretamente influenciada por uma percepção mais favorável sobre a situação das finanças da família, bem como por uma preocupação menor com o orçamento doméstico nos próximos meses. Os dados são da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que nesta quinta-feira anunciou uma alta de 1,0% no Índice de Confiança do Consumidor (ICC) em junho ante maio.

IDIANA TOMAZELLI, Agência Estado

26 de junho de 2014 | 08h46

Segundo a Fundação, o indicador que mede o grau de satisfação dos consumidores com a situação financeira atual da família avançou 2,0% em junho, ao passar de 105,1 para 107,2 pontos. O quesito influenciou positivamente o resultado do ICC deste mês. A proporção de consumidores que avaliam a situação como boa aumentou de 19,2% para 21,6%, enquanto a dos que a julgam ruim aumentou em menor proporção de 14,1% para 14,4%.

Em relação ao futuro, as famílias demonstraram menor preocupação com o orçamento familiar. O indicador que mede o grau de otimismo em relação a esse quesito subiu 1,9%, para 127,1 pontos. A parcela de consumidores projetando melhora avançou de 32,0% para 33,9%. Por outro lado, a fatia dos que preveem piora caiu de 7,3% para 6,8%.

O resultado do ICC interrompeu uma sequência de quedas expressivas desde o início do ano (a exceção havia sido o leve aumento de 0,1% em março). Apesar disso, o indicador ainda se mantém aos 103,8 pontos, abaixo da média histórica recente, de 113,4 pontos. A economista Viviane Seda, coordenadora da Sondagem do Consumidor, concede entrevista coletiva às 11 horas para comentar os resultados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.