Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Ordem dos economistas aponta queda de 0,27% no ICVM de março

O Índice do Custo de Vida da Classe Média da Cidade de São Paulo (ICVM) de março ampliou seu ritmo de queda em março, de uma deflação de 0,16% em fevereiro para uma redução de 0,27%, segundo divulgou hoje a Ordem dos Economistas do Estado de São Paulo. Com o resultado de março, a taxa acumulada pelo ICVM no ano caiu para 0,20% e a dos últimos 12 meses para 2,48%.O resultado, segundo os economistas da Ordem, foi fortemente influenciado pela queda no preço dos combustíveis. O preço do litro do álcool combustível caiu mais 17,52% no mês passado e a gasolina em baixa de 1,48%. Ainda assim o grupo Transportes fechou em alta de 2,61%, refletindo os aumentos de 3,97% na taxa de licenciamento, de 1,25% em produtos para veículos, de 0,86% em reparos de veículos e de 0,64% nos preços dos estacionamentos.As despesas com saúde levaram o grupo a uma alta de 0,66% no fechamento de março. Os preços dos remédios e produtos farmacêuticos apresentaram alta de 1,04%, enquanto os dos serviços médicos aumentaram 0,52%. O grupo Despesas Pessoais fechou o mês passado com uma alta de 0,27%, pressionado, principalmente, pelos preços dos ingressos de futebol (20,80%) e dos cigarros (3,06%).Após dois meses consecutivos de redução, o grupo Vestuário voltou a registrar alta (0,22%). As maiores altas foram verificadas nos agasalhos (3%), em decorrência da troca de coleção nas lojas. O grupo Habitação apresentou alta média de 0,20%. No grupo, os maiores aumentos ficaram por conta dos artigos eletro-eletrônicos e dos artigos de cama, mesa e banho, ambos com 0,82%.O grupo Educação apresentou ligeira alta de 0,08%. O resultado é conseqüência das altas de 0,67% no preço dos livros didáticos e de 0,56% no preço do material escolar. Na ponta de baixa, ficou o grupo Alimentação, com deflação de 0,20%. Entre os itens que aumentaram de preço destacam-se a cebola (7,36%), os ovos (7,13%), o óleo de soja (5,44%), e o café (3,40%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.