Rafael Arbex/ESTADÃO
Rafael Arbex/ESTADÃO

Ordens para a compra de dólares partiram do celular de Wesley Batista

De acordo com a Polícia Federal, mensagens de WhatsApp entre presidente da JBS e diretor da companhia provam que Wesley lucrou indevidamente nos mercados de câmbio e de ações

Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2017 | 05h00

Mensagens de WhatsApp que estavam no celular de Wesley Batista indicam que partiram do próprio empresário as ordens para compra de dólares no mercado futuro, segundo a Polícia Federal. As conversas pelo aplicativo compõem as provas apresentadas para sustentar que o presidente da JBS, valendo-se de informação privilegiada, lucrou indevidamente nos mercados de câmbio e de ações. O celular do empresário foi apreendido na Operação Lama Asfáltica, deflagrada em maio. A pedido da PF, Wesley está preso desde quarta-feira.

Wesley começa a falar sobre operações de dólar no dia 29 de abril, aponta a PF. Na ocasião, ele pergunta a Rafael Harada, diretor de controle de risco da JBS, sobre o que era necessário para iniciar a compra de contratos a termo. “Se nós quisermos voltar a usar, é coisa que tem que aprovar ou é coisa que está pré-aprovado nos bancos?”. 

++Prisão de Wesley Batista é a 1ª por informação privilegiada no Brasil

Segundo a PF, o caráter atípico das operações é reforçado pela frase “ voltar a usar”. A JBS também iniciara compra de contratos futuros de dólar na Bolsa. Esses dois tipos de operação equivalem a um compromisso de compra e venda de dólar no futuro. Neste caso, Wesley apostava que o dólar iria subir.

No final de abril, Wesley e seu irmão Joesley estavam em estágio avançado de negociação com a Procuradoria-Geral da República e haviam assinado o pré-acordo de delação. Em 3 de maio, foi feita a assinatura formal da colaboração premiada. 

As mensagens indicam que o Wesley seguiu monitorando pessoalmente o ritmo de compra de contratos de dólar. No dia 5 de maio, ele enviou nova mensagem a Harada: “Como é que ficou Goldman, como é que ficou Morgan Stanley?”. No dia 9 de maio, o presidente da JBS e Harada trocam “diversas mensagens” e Wesley determina a compra de mais contratos, segundo a PF. “Faz mais os 50mm (milhões) do Itaú e os 140 do Bradesco ainda hoje”, ordenou Wesley, após ser informado sobre os limites dados pelos bancos.

++BNDES vai trocar conselheiros e influenciar nova direção da JBS

No dia seguinte, a JBS intensificou as compras de dólar no mercado. A PF aponta que se tratava da véspera da homologação do acordo pelo STF, que veio dia 11 de maio. Em 17 de maio, a JBS fez mais compras de contratos de dólar. O dia terminou com o jornal O Globo noticiando a delação dos Batistas.

Segundo a PF, como consequência das ordens de Wesley, a JBS elevou sua posição comprada em dólar (apostando na alta) de cerca de US$ 77 milhões no dia 2 de maio para US$ 2,814 bilhões em 18 de maio. Todos os limites oferecidos para operações a termo foram usados, indica a investigação.

Em depoimento antes de ser preso, Wesley afirmou que as operações aconteceram porque havia entendimento dentro do grupo de que a cotação do dólar subiria. Segundo ele, esse cenário foi apresentado em reunião do comitê financeiro da JBS, que ocorreu em fevereiro ou março.

Ações. A PF também recuperou um e-mail que confirmaria ter vindo de Wesley a ordem para comprar R$ 50 milhões de ações da JBS no mercado. A mensagem foi enviada por Felipe Bianchi no 24 de abril, dia em que a JBS iniciou a recompra de ações da empresa no mercado. “Hoje, recebemos a ordem do Wesley para comprar o equivalente a 50 milhões de reais em ações da JBS no mercado”, diz o funcionário no e-mail. 

A FB Participações, que pertence aos Batista, havia iniciado a venda de ações da JBS no mercado, a pedido de Joesley, poucos dias antes. Para os investigadores, os dois irmãos fizeram o movimento, antecipando-se à esperada queda no valor das ações da JBS, o que Joesley e Wesley negam.

Os advogados dos irmãos Batista ingressaram ontem com pedido de Habeas Corpus no Tribunal Regional da 3a. Região. Segundo pessoas próximas, a família aguarda o desenrolar das tentativas de libertação de Wesley para definir a nomeação de um substituto na presidência da companhia de alimentos. O advogado Pierpaolo Bottini, que defende os irmãos Batista afirmou: “É injusta, absurda e lamentável a prisão preventiva de alguém que sempre esteve à disposição da Justiça, prestou depoimentos e apresentou todos os documentos requeridos.”

Mais conteúdo sobre:
Polícia Federal Wesley Batista JBS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.