Órgão de pesquisa evita definir fim da recessão nos EUA

O Comitê de Datação de Ciclos de Negócios, do Bureau Nacional de Pesquisa Econômica dos EUA (NBER), continua evitando declarar a recessão no país formalmente encerrada. Em boletim publicado hoje no site do NBER na internet, o comitê diz que indicadores econômicos recentes sugerem que "o declínio que começou no ano passado pode ter chegado ao fim". Segundo o comitê, não está disposto a declarar o fim da recessão por que precisa ter certeza de que "uma hipotética virada para baixo subsequente seria uma recessão separada, e não uma continuação da última". O NBER declarou há cerca de um ano que a recessão nos EUA havia começado em março de 2001. Mais tarde, o bureau disse que os efeitos dos ataques terroristas de 11 de setembro haviam desempenhado um papel importante para que o comitê fizesse aquela declaração. Alguns economistas e funcionários do Fed manifestaram ceticismo quanto ao fato de as condições da economia na época correspondessem à definição oficial de recessão -que, para o NBER, representa declínios sustentados no emprego, na produção industrial, nas vendas e no crescimento da renda. Eles concordavam que a economia havia enfraquecido, mas talvez não o suficiente para uma declaração oficial de recessão. Além disso, a definição convencional dos mercados para uma recessão é dois trimestres consecutivos de contração na atividade econômica e, antes das revisões feitas neste ano, os dados do governo mostravam uma contração apenas no terceiro trimestre de 2001. A revisão, porém, mostrou contrações em três trimestres consecutivos, e não apenas no período julho/setembro. O endereço do NBER na internet é www.nber.org.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.