Orientação vocacional auxilia pais e filhos

Profissionais que atuam na área de orientação vocacional são unânimes em ressaltar que os pais devem incentivar as habilidades que o filho possui, mesmo que esta atividade não seja de maior prestígio. O jovem precisa do apoio da família para desenvolver seu potencial, que muitas vezes não é de caráter acadêmico. A orientação vocacional pode ser utilizada como ferramenta para auxiliar na escolha e desenvolvimento da carreira profissional. Os pais também podem participar da orientação para perceber o verdadeiro talento do filho.O professor e coordenador de orientação profissional do Colégio Bandeirantes, Roberto Nasser, ressalta que os pais não devem montar um projeto de vida para o filho de acordo com suas vontades e, sim, apoiar os planos do filho para sua carreira profissional. "A pressão familiar em forçar o jovem a realizar uma atividade de que não goste prejudica o seu desenvolvimento profissional e pessoal", avalia.O coordenador do Bandeirantes considera ainda que a iniciativa em investir em uma carreira deve partir do jovem. "Ele deve batalhar e buscar o maior número de informações possível sobre todas as profissões que o atraiam para decidir qual pretende seguir." A carreira de sua preferência não precisa ser necessariamente acadêmica, segundo Nasser. Os pais não devem forçar a criança ou jovem a estudar se ele não gosta e prefere se dedicar às artes ou aos esportes. "Os pais não devem forçar o estudo, mas sim mostrar que através da escola o jovem pode abrir várias portas para sua carreira profissional", avalia Nasser.Apoio dos pais é essencialA coordenadora do curso de orientação vocacional do Mackenzie, Mara Poltronieri, também indica aos pais que não pressionem os filhos a escolher uma atividade de que não gostem. "O correto é a família apoiar o jovem naquilo que ele gosta de fazer, desenvolver suas habilidades para que ele descubra seu potencial e consiga chegar ao sucesso na sua atividade profissional", explica.PersonalidadeA Escola Vesper, que atua na área de reforço escolar, também realiza sessões de orientação vocacional. A diretora da Vesper, Nívea Gomes Basili avalia que os pais devem analisar a personalidade dos filhos desde pequenos para saber como ajudá-los a explorar suas potencialidades. A diretora ressalta que os pais são convidados a participar de algumas seções para acompanhar o desenvolvimento do filho e também receber auxílio dos coordenadores para o tratamento e apoio aos jovens.O pedagogo e coordenador da escola de orientação vocacional Nace, Silvio Bock, diz que a orientação vocacional auxilia o jovem a refletir sobre o seu futuro, conhecer as profissões disponíveis no mercado de trabalho e refletir sobre suas habilidades pessoais. "As sessões de orientação vocacional tornam o jovem mais consciente sobre qual caminho seguir em sua vida profissional", define.ServiçoEscola Vesper - O trabalho de orientação vocacional que não tem duração definida, depende da evolução de cada jovem. O atendimento completo custa R$ 630,00. Tel. (11) 3819-5758Nace - Cursos de orientação vocacional individual e em grupo de até 16 pessoas. O curso individual tem em média 12 sessões de 1 hora. Já o curso em grupo são realizados em 15 encontros de 2 horas cada. O individual custa R$ 80,00 por aula e o curso em grupo sai por R$ 660,00. Tel: (11) 3849-2412Colmeia - O curso de orientação com 7 sessões de 2h30min custa para aulas em grupo R$ 280,00 à vista ou dois pagamento de R$ 150,00. O curso individual sai por R$ 430,00 à vista ou dois pagamentos de R$ 235,00. Tel. (11) 3062-3776 ou 3062-2258

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.