carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Os avanços das tecnologias no trabalho

Já faz algum tempo que venho lendo sobre os avanços das modernas tecnologias na indústria, no comércio e nos serviços. O que leva um analista do mercado de trabalho a se interessar por engenharia, robótica e mecatrônica? A razão decorre do fato de vivermos, no Brasil, uma combinação perversa de falta de mão de obra, baixa produtividade e alto custo do trabalho. Essa equação não fecha! Nenhuma empresa ou país pode ter êxito com custos altos e produtividade baixa.

José Pastore*, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2014 | 02h02

Com um crescimento demográfico declinante, a atual falta de mão de obra com salários altos tenderá a se perpetuar. A saída será a utilização de tecnologias que permitem reduzir custos, aumentar quantidades, diminuir tempo e melhorar qualidade. Só assim a produtividade aumentará, podendo-se, com isso, manter uma trajetória ascendente de salários e benefícios.

Em setores de ponta (aviões, automóveis, siderurgia, petroquímica, medicamentos), as empresas já usam largamente mecanização, automação, robotização e outros métodos. Mas poucos são os fornecedores desses setores que apresentam o mesmo padrão. A defasagem é enorme. Muitos fornecedores argumentam com razão que, sem escala, é antieconômico mecanizar ou robotizar.

O que dizer dos outros setores? Será que na construção civil, por exemplo, o Brasil já mecanizou tudo o que a engenharia oferece?

Os produtores que conheço dizem que o Brasil está engatinhando nesse campo. Informam que, apesar de progressos sensíveis, a maior parte das obras continua sendo realizada em ambientes sujos, com enorme esforço físico, alto risco, grande desperdício de tempo, energia e materiais, muito retrabalho e baixa produtividade, enquanto nos países avançados tudo é feito com menos esforço, menos riscos e mais eficiência. A mecanização e a automação são usadas em larga escala, além dos grandes avanços nos pré-moldados. Paredes e colunas trazem embutidos redes de eletricidade e de hidráulica e vários equipamentos elétricos e eletrônicos, indispensáveis na vida moderna - tudo isso economizando trabalho e aumentando a produtividade.

Daqui para a frente, os avanços serão revolucionários, pois estamos prestes a poder produzir muitas peças (exemplo: aparelhos sanitários) nas próprias obras com base na impressão em três dimensões, o que eliminará transporte, esforço físico e perdas. É o novo mundo que já chegou.

O mesmo pode ser dito em relação às novidades das ligas e fibras que já existem. Fiquei abismado ao saber que, no Japão e nos Estados Unidos, muitas obras adicionam óxido de titânio no concreto armado. Com isso as paredes ficam permanentemente limpas, pois nelas não são impregnados resíduos, algas ou fungos - eliminando trabalho e evitando doenças.

E a sofisticação vai mais longe. Na presença da luz e do oxigênio, o óxido de titânio provoca uma reação que converte o dióxido de nitrogênio emitido pelos veículos (grandes poluidores e causadores de doenças) num nitrato inofensivo, que, por sua vez, é lavado pela chuva! Isso trará grande melhoria do meio ambiente e da saúde em geral, com enorme economia para a sociedade. É fantástico!

É isso que estou apreendendo com as leituras que faço nos dias atuais. Para mim, é penoso entender as tecnicalidades dos textos. Os progressos são lentos. Mas as informações são fascinantes no que tange ao impacto da ciência e da tecnologia no uso mais eficiente do fator trabalho, tornando-o menos perigoso e mais rentável. Volto ao ponto inicial: a única maneira de sustentar aumentos crescentes de salários e benefícios é por meio de uma elevação substancial da produtividade, o que pode ser alcançado com a ajuda de tecnologias que permitem produzir mais com menos. Isso se torna crucial quando o trabalho fica escasso e caro - como ocorre no Brasil. Voltarei ao assunto no próximo artigo.

*José Pastore é professor de Relações do Trabalho da FEA-USP e membro da Academia Paulista de Letras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.