Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

''''Os Correios precisam mudar''''

Carlos Henrique Custódio, Presidente dos Correios. Estatal quer migrar da entrega de cartas para a correspondência eletrônica e transporte de encomendas

Entrevista com

Gerusa Marques, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

25 de fevereiro de 2008 | 00h00

Preocupado com o esgotamento do monopólio no setor de cartas e com a ameaça das multinacionais, o presidente dos Correios, Carlos Henrique Custódio, quer mudar o perfil da empresa, inclusive com maior atuação internacional. Segundo Custódio, os Correios passariam a atuar mais fortemente no transporte de encomendas, no mercado eletrônico de correspondências e ampliariam a sua atividade como banco postal. Em cinco anos, diz Custódio, o valor dos Correios poderia aumentar em dez vezes. Funcionário de carreira da Caixa Econômica Federal, Custódio assumiu a presidência dos Correios em 2006. Ele deu a seguinte entrevista ao Estado:Quais são os planos dos Correios? Pretendemos fazer dos Correios uma empresa moderna. Vivemos um divisor de águas. Ou saímos na frente com as facilidades que a tecnologia proporciona, ou vamos ficar para trás, porque a concorrência está muito grande. O monopólio no setor de cartas, por exemplo, está fadado a acabar porque enfrenta a concorrência da tecnologia. A entrega de extratos bancários e de contas começa a diminuir com a ampliação do acesso à internet. O foco de crescimento é no setor de encomendas?Não necessariamente, mas em inovação. Temos de dar essa solução para o mercado. Será a grande migração dos Correios, nesse ambiente de certificação e assinatura eletrônica. As empresas entregariam na caixa postal eletrônica virtual e as correspondências eletrônicas teriam a chancela e a segurança dos Correios.Quanto o setor de correspondências representa no faturamento? Arrecadamos R$ 5 bilhões com correspondências e outros R$ 5 bi com encomendas.A empresa aérea própria vai sair de uma parceria com a VarigLog?O João Luís (Bernes de Sousa, da VarigLog), veio conversar. A Controladoria Geral da União, o Tribunal de Contas e a própria CPI (dos Correios) recomendaram que o governo montasse uma empresa aérea própria, mas não é fácil. Temos dinheiro mas não temos expertise.A parceria seria interessante?A gente negocia com a empresa que apresentar um bom plano de negócios. A conversa com a VarigLog está mais encaminhada?Fui procurado pelo presidente da VarigLog no dia 31 de janeiro. Ele vai fazer uma precificação e queria saber do interesse da empresa. Dissemos que nosso interesse continua. Estamos conversando com outras empresas e bancos. Precisamos ter o controle do planejamento de transportes de encomendas. O ?e-comerce? cresce 70% ao ano no País.Se o negócio for fechado, seria comprada toda a VarigLog?Não. Não sei se vai ser 50%, 60%. Minha idéia é que tenhamos o controle acionário, mas não a gestão. Também não podemos injetar dinheiro e ficar sem direito a voto e a veto. Quanto precisaria ser investido?Cerca de R$ 400 milhões, mas depende do projeto. O detalhe é que seremos nosso principal cliente. Temos gasto anual de R$ 500 milhões. Essa empresa nasce com esse faturamento. Os Correios não precisariam nem usar os R$ 3 bi que têm em caixa, podem recorrer ao BNDES. O contrato com o Bradesco no Banco Postal será revisto?Estamos tentando fazer um novo modelo. Queremos sair de correspondente bancário para ser banco postal, em parceria com outro banco. O parceiro mais forte e natural é o próprio Bradesco, mas haverá uma nova licitação.Esse novo modelo seria para meados de 2009, quando vence o contrato com o Bradesco? Sim. Embora o atual contrato tenha cláusulas de revisão, muito provavelmente não vai ter mudança até lá.Os Correios estão prejudicados na parceria com o Bradesco?Prejudicados acho que não, mas há espaço para ganhar muito mais. Houve uma mudança de mercado e esse contrato ficou limitado.Os Correios vão abrir seu capital?Antes, é preciso preparar a empresa, gerar valor. Se hoje os Correios valem "x" bilhões, depois dos projetos implantados a gente acredita que vai potencializar em mais de 10 vezesÉ um projeto de longo prazo?Eu acredito que em menos de 5 anos não deve acontecer. Hoje é muito prematuro, mas é uma tendência. Inclusive internacionalizar os Correios e se tornar uma multinacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.