Os impactos da guerra comercial

Relevante saber o quanto das exportações chinesas e dos EUA impacta no crescimento do produto de cada país

Ernesto Lozardo*, O Estado de S. Paulo

17 de novembro de 2019 | 01h30

A guerra comercial do governo Trump contra as exportações da China para o mercado norte-americano é uma investida política, mas em nada mudará a trajetória hegemônica chinesa no mundo.

Desde meados da década de 2000 a economia chinesa deixou de crescer baseada nas vantagens competitivas de suas exportações de bens e serviços. Em 2006, essas exportações representaram 35% do PIB chinês; em 2017, atingiram 19%. Em 2006, as exportações chinesas para os EUA corresponderam a 8% do PIB; em 2017, a 3,4%. Em 2017, os EUA exportaram 12,1% do PIB, e 0,97% para a China. Desde 2010 o comércio entre eles declina. A política de crescimento chinês está mais direcionada ao consumo interno. O modelo de crescimento exportador chinês é coisa do passado.

Os EUA importaram US$ 488 bilhões da China em 2018, 15% do total das importações. Elas tiveram um papel importante na redução dos preços internos e, por conseguinte, na estabilidade da renda social. O déficit em conta corrente dos EUA monta US$ 500 bilhões, 2,4% do PIB. O governo Trump pretende reduzir esse déficit, começando pelas importações da China. Estima-se que tal déficit esteja em torno de US$ 375 bilhões. A primeira medida foi elevar a tarifa em 15% sobre US$ 200 bilhões das importações chinesas. Agora, aumentou 5% sobre US$ 300 bilhões. A China retaliou. Impôs 10% de tarifas sobre US$ 75 bilhões, o que representou 65% das exportações dos EUA para a China, que somaram US$ 118 bilhões em 2018.

O relevante é conhecer o quanto das exportações chinesas e dos EUA impacta no crescimento do produto de cada país. Assim, precisa-se considerar o conteúdo de valor adicionado das exportações no PIB. Na China, ele representou 25% em 2015. Isso significa que cada dólar exportado para os EUA gerou US$ 0,25 no PIB chinês. Já nos EUA, o conteúdo de valor adicionado das exportações para a China correspondeu a 50% em 2015. Assim, cada dólar exportado para a China contribuiu com US$ 0,50 no PIB norte-americano – praticamente o dobro do conteúdo de valor adicionado das exportações chinesas para os EUA.

Se as medidas de contenção das importações chinesas chegarem a 50%, as exportações da China para os EUA cairão pela metade, ou seja, para 1,7% do PIB. O efeito sobre o PIB chinês seria uma redução de 0,43% (1,7 x 0,25). Ao serem consideradas todas as rodadas de exportações e os efeitos negativos dessa medida sobre o valor agregado das exportações chinesas para os EUA, ao fim, em termos de valor agregado, a perda total no PIB chinês é estimada em 66%. Assim, o resultado negativo das exportações no PIB chinês seria de 1,12% (1,7 x 0,66). O impacto das medidas protecionistas dos EUA no PIB chinês, supondo uma taxa média de crescimento em torno de 5,7% ao ano, reduziria o crescimento do PIB em 1,12%, ou seja, a taxa de crescimento da China seria de 4,58%. Considerando o valor do PIB chinês em US$ 12,2 trilhões, a perda no PIB seria equivalente a US$ 137 bilhões. Portanto, o resultado negativo dessa limitação das exportações no PIB chinês seria de 1,1%. É um porcentual pequeno, mas impacta negativamente no crescimento global.

A política de contenção das importações chinesas reduzirá o déficit norte-americano com os chineses, mas o déficit da conta corrente permanecerá, importando bens e serviços de outras nações, como Brasil, Camboja, Vietnã, Bangladesh, Coreia do Sul, etc. O embate político-comercial resultará num acordo limitado de cooperação. A China reduzirá as exportações de bens de consumo e aumentará as importações de commodities dos EUA.

Caso o presidente Trump seja reeleito, a guerra comercial continuará, confrontando as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), desencadeando uma onda comercial protecionista, influindo negativamente no crescimento econômico mundial, que deverá ficar em torno de 3%, por seu turno, mantendo juros reais baixos e ou negativos e expondo a fragilidade do sistema financeiro internacional: um cenário de alto risco.

*PROFESSOR DE ECONOMIA DA EAESP-FGV

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.