Oscilação persiste, apesar da estabilidade externa, diz Copom

O ambiente de volatilidade (oscilação do preço dos ativos) elevada persiste, apesar do cenário externo ter se estabilizado. Essa foi a avaliação dos integrantes do Comitê de Política Monetária (Copom) na reunião de junho em que decidiram manter a Selic, a taxa básica de juros da economia, em 16% ao ano.De acordo com ata da reunião, divulgada hoje pelo Banco Central, ainda há incertezas em função do comportamento esperado para a taxa básica de juros norte-americana nos próximos meses, embora as tensões do mercado de petróleo tenham se reduzido.No documento, os diretores do BC destacam que a taxa de câmbio se manteve um pouco acima de R$ 3,10, mas com a volatilidade de 21 dias nos valores mais altos desde maio do ano passado. Mas também ressaltam que o risco Brasil ? taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento da dívida do país - passou de 728 pontos base, no período imediatamente anterior à reunião de maio, para 670 pontos base nas vésperas da reunião de junho.Para os diretores do BC, a instabilidade verificada recentemente no mercado está longe de se configurar como um quadro de crise. "Ainda mais quando se levam em conta o provável caráter passageiro de seus determinantes principais e a solidez dos fundamentos da economia brasileira", diz a ata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.