Otimismo do governo sobre economia não contagia analistas

Analistas prevêem que o "espetáculo do crescimento" anunciado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva não entrará em cartaz neste ano, e tampouco a expansão da economia em 2004 será espetacular. Os juros deverão cair com mais força a partir deste mês, uma vez que a deflação chegou ao índices de preços ao consumidor, mas uma expansão mais forte do Produto Interno Bruto (PIB) é esperada apenas para o quarto trimestre. Analistas e governo também discordam sobre o impacto das medidas de incentivo ao microcrédito. O governo aposta no pacote de microcrédito como um forte estímulo ao reaquecimento da atividade econômica. Já os analistas avaliam que tais medidas devem ter um impacto macroeconômico pouco significativo. Outro ponto de divergência: enquanto analistas estão preocupados com o baixo nível de investimento na economia, um entrave ao crescimento sustentado, o governo está convencido de que a melhora nos indicadores macroeconômicos brasileiros se refletirá em mais investimentos do setor privado já a partir do segundo semestre.Leia a cobertura completa sobre o assunto nos links abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.