Otimismo dos analistas em relação à Selic

O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne nos próximos dias 22 e 23 de agosto para reavaliar a taxa básica de juros - Selic -, que está em 16,5% ao ano. Analistas e investidores começam a acreditar que o Comitê poderá reduzir mais uma vez os juros, mesmo após o presidente do Banco Central (BC), Armínio Fraga, ter dito que os juros podem voltar a subir caso os índices de inflação fiquem pressionados. Em julho, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) ficou em 1,4%. O resultado foi equivalente à inflação registrada em fevereiro de 1999 - 1,41% -, quando o real foi desvalorizado. Porém, muitos analistas acreditam que esse repique de inflação não vai comprometer a meta do governo, que está fixada em 6%, podendo chegar a 8%.Um sinal de que o mercado financeiro acredita em uma nova redução da Selic na próxima reunião do Copom é a queda gradual da taxa de juros nos contratos futuros. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagavam juros de 16,78% ao ano no início da manhã. Ontem fecharam em 16,750% ao ano e, na sexta-feira, encerraram a semana em 16,840% ao ano.O resultado do leilão de títulos prefixados que o Banco Central realiza hoje será mais um sinal nessa direção. O BC, por intermédio do Tesouro Nacional, colocará em leilão um lote de R$ 1,5 bilhão de títulos prefixados com vencimento em 196 dias e R$ 1,5 bilhão em 357 dias. A expectativa é que os investidores paguem taxas abaixo do apurado no leilão da semana passada - 17,03% ao ano e 17, 62% ao ano, respectivamente.Leilão de títulos cambiais pressiona cotação do dólarNos últimos dias, o dólar comercial vem registrando alta. Ontem chegou a subir 0,28%, fechando em R$ 1,8050 na ponta de venda dos últimos negócios. A razão para a alta é que o governo pretende resgatar hoje títulos atrelados ao dólar, fazendo com que parte dos investidores procurem o mercado de câmbio. Há pouco, o dólar estava cotado a R$ 1,8070 na ponta de venda das operações.Veja na seqüência mais informações sobre o mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.