Otimismo empresarial volta ao patamar de março, com 5,3

Os empreendedores estão com o mesmo nível de otimismo registrado em março de 2005. É isso o que aponta pesquisa realizada na manhã desta terça-feira com de cerca de 200 empresários que participaram do 3º seminário Grupo de Líderes Empresariais (Lide). O levantamento apontou nota de 5,3 para o "clima atual". Em novembro do ano passado, este resultado, que deve ser apontado pelos pesquisados por meio de um índice que vai de zero a dez, estava em 4,7. Em agosto de 2005 o resultado foi ainda menor: 4,2. Entre os questionados estavam presidentes da Philip Morris Telefônica, Rio Bravo e ABN Amro Real.ComparaçãoA pesquisa também perguntou sobre a situação dos negócios das empresas comparada a 2005. A avaliação também foi melhor do que em novembro de 2005. Naquele mês, 44% avaliavam que a situação estava melhor. Hoje, 50% fizeram essa avaliação, contra 41% que consideram a situação igual e 9%, pior. Em relação à previsão de demissão de empregados, 40% afirmaram que pretendem contratar novos funcionários, enquanto 49% devem manter e 11% devem demitir. A situação também é melhor do que em novembro de 2005 e volta ao mesmo patamar de março do ano passado.EficiênciaA avaliação da eficiência do governo federal também melhorou, segundo a pesquisa. Em novembro passado, a nota era 1,9. Hoje, a avaliação foi 2,5. Há um ano, em março de 2005, a nota era 2,8. O melhor resultado foi registrado em novembro de 2003, quando o governo Lula recebeu nota 4,3 (de uma escala que vai de 0 a 10).Assim como em pesquisas anteriores, os empresários citaram a carga tributária como o principal fator que limita o crescimento. Na pesquisa de hoje, 62% elegeram esse fator. O nível de preços foi citado por 15% e a taxa de juros, por outros 15%. Embora 2006 seja um ano eleitoral, apenas 8% dos empresários citaram o cenário político como um limitador para a expansão da economia do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.