Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Otimismo no agronegócio

Começa na próxima semana o plantio da soja para a safra 2013/14 nas principais áreas de cultivo do Brasil.

Celso Ming,

14 de setembro de 2013 | 02h13

A produção do período 2012/13 foi recorde. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta um resultado de 187,1 milhões de toneladas de grãos e área plantada de 53,3 milhões de hectares. As projeções para o plantio que começa agora são ainda mais exuberantes.

A consultoria Agroconsult estima a produção de 192,5 milhões de toneladas de grãos (2,9% a mais em relação aos resultados da Conab para 2012/13) e 54,5 milhões de hectares de área plantada. "Temos um ciclo positivo de oito safras seguidas e, novamente, a produção dos Estados Unidos não será boa", resume Fábio Meneghin, analista da Agroconsult.

Ao contrário do plantio iniciado com tempo seco, como ocorreu em 2012/13, há previsão de chuvas nas regiões de cultivo. Espera-se redução da semeadura de milho. Com a superprodução de 2012/13, o produto perdeu rentabilidade em relação à soja. A consultoria Safras & Mercado prevê queda de 13% na área do milho e avanço de 4% a 8% na de soja. Juntas, as duas culturas respondem por 85% do volume de grãos produzidos no Brasil.

Apesar da redução das cotações das commodities agrícolas em dólares, a desvalorização do real (alta da moeda estrangeira em reais), de 5,9% nos últimos três meses, favorece os produtores. "Os preços em reais deste ano tendem a ser iguais ou superiores aos de 2013", diz o economista Lucílio Alves, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/USP). Na quinta-feira, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda) reduziu em 3% a estimativa de produção norte-americana de soja em 2013/14, para 85,7 milhões de toneladas, o que aponta para boa demanda.

O bom momento do agronegócio brasileiro se reflete também na forte procura de insumos, máquinas e implementos. "Enquanto outros setores da indústria estão chorando, estamos num período de ouro", diz Gilberto Zancopé, presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). De janeiro a julho deste ano, o setor registrou faturamento de R$ 12,3 bilhões, com expansão de 16,3% ante igual período de 2012.

A Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda) também mostrou avanço de 5,5% entre janeiro e julho deste ano em relação a 2012, com 15 milhões de toneladas de fertilizantes entregues ao consumidor final. As projeções apontam novo recorde histórico neste ano: entrega de até 30,5 milhões de toneladas de fertilizantes. "O forte ritmo das vendas de insumos e máquinas mostra o aumento do padrão tecnológico e da produtividade do setor", observa Luiz Carlos Carvalho, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag).

O otimismo do agronegócio tromba na desastrosa situação da infraestrutura. Após a alta de mais de 30% nos custos de frete na safra 2012/13, reajustes no preço do diesel e da mão de obra previstos para este ano devem encarecer mais uma vez a conta e espalhar insegurança na negociação dos contratos futuros.  (Colaborou Danielle Villela)

Tudo o que sabemos sobre:
agronegocio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.