Ouro e prata fecham nas máximas, ajudados pelo euro

Investidores mais uma vez correram para comprar ativos fortes para se proteger da inflação.

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

21 de agosto de 2012 | 15h37

Os contratos futuros do ouro atingiram uma máxima em três meses, enquanto os da prata fecharam no nível mais alto em mais de 10 semanas, no rastro do fortalecimento do euro e do otimismo sobre a Europa.

O contrato do ouro com entrega para setembro subiu 1,2%, ou US$ 19,90, na Comex, divisão da New York Mercantile Exchange (Nymex), para US$ 1.642,90 a onça-troy, o valor mais alto de fechamento desde 4 de maio, quando o contrato encerrou em US$ 1.645,20 a onça-troy.

O euro subiu 1,1% ante o dólar, e foi negociado recentemente em US$ 1,2477, enquanto os operadores de câmbio apostam que o Banco Central Europeu (BCE) pode surpreender os mercados com uma postura mais ativa em relação aos problemas de dívida da região na sua próxima reunião de política monetária em setembro.

"O ouro está explodindo", afirmou Adam Klopfenstein, estrategista da Archer Financial Services. Segundo ele, está começando a se infiltrar na mente dos investidores a ideia de que há preços inflacionários ocorrendo. "Você vai ter uma situação na Europa que vai exigir algum tipo de desvalorização da moeda", acrescentou.

Os esforços de relaxamento monetário passados ajudaram o ouro e a prata a registrarem um rali, enquanto os investidores correram para comprar ativos para se proteger da inflação.

O contrato da prata com entrega para setembro fechou com alta de 2,9%, ou US$ 0,8350, em US$ 29,428 a onça-troy, o nível mais alto de fechamento desde 6 de junho, quando o metal atingiu US$ 29,488 a onça-troy. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ourofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.