Ouro lidera ranking das aplicações até 20 de maio

Em maio, até o dia 20, a aplicação em ouro destaca-se pela valorização expressiva, superando o ganho de todos os outros investimentos. O rendimento nominal neste período foi de 8,44%. Já a segunda melhor rentabilidade foi apresentado pelos fundos cambiais, com 4,84%. O ouro também destaca-se entre as aplicações financeiras no acumulado do ano, até ontem. O rendimento nominal é de 19,53%. Em segundo lugar, aparecem os fundos cambiais com rentabilidade bruta de 8,73%.O destaque para o investimento em ouro é explicado pelo momento de incerteza. Segundo analistas, depois do dia 11 de setembro - data dos atentados terroristas contra os Estados Unidos -, os investidores no mercado internacional ficaram inseguros em relação à economia mundial. Isso fez com que o ouro atraísse mais recursos das aplicações. Com isso, a demanda aumentou e a oferta permaneceu estável, o que pressionou para cima as cotações do ouro.Este comportamento dos investidores intensificou-se ontem, após as declarações de representantes do governo norte-americano sobre a grande possibilidade de novos ataques terroristas em breve. O resultado é que a cotação do ouro subiu com força e bateu recordes. Os contratos de ouro equivalentes a 250 gramas, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) terminaram o dia ontem cotados a R$ 25,700. Este é o patamar mais alto desde 21 de setembro de 2001, quando a cotação ficou em R$ 26,400.É importante destacar que o ouro é uma commodity e, portanto, o seu preço é formado no mercado internacional e independe da região onde o minério foi extraído. A cotação no Brasil toma por base os negócios na Bolsa de Nova York, em dólar, referentes à onça troy - uma medida de peso equivalente a 31,1035 gramas. Como investir Quem pretende investir em ouro pode comprar o ativo no mercado à vista ou no mercado futuro e de opções. Estas três operações são feitas na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Depois de efetuar a compra do certificado de ouro, o investidor recebe uma declaração de posse do ativo, mas o ouro físico fica em poder da BM&F. Caso o investidor queira ficar com o ouro propriamente dito, deve ir ao banco depositário - onde o ouro está guardado - e resgatá-lo.É possível comprar o ouro em barras diretamente de uma instituição financeira. Neste caso, o investidor deve estar atento à forma como o ativo será entregue. A recomendação é de que ele venha lacrado e com certificado do banco responsável pela venda. Seja qual for a forma escolhida para o investimento em ouro, a alíquota de Imposto de Renda (IR) da aplicação é de 10% e incide sobre o ganho apurado na data do resgate.Veja no link abaixo mais informações na cartilha de Investimentos - Ouro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.