Ouro lidera ranking de investimentos em maio

No encerramento do mês, o ouro mostrou-se a melhor aplicação. O ganho acumulado foi de 12,24%. Em seguida aparece o dólar oficial, com alta de 6,75%. Os fundos referenciados cambiais foram favorecidos pelo comportamento da moeda norte-americana e, no período, apresentam rentabilidade projetada de 6,51%. Já o dólar paralelo negociado em São Paulo registrou alta de 6,13%.Tanto o ouro quanto o dólar são aplicações procuradas pelos investidores sempre que há muitas incertezas no cenário, pois são vistas como ativos que oferecem segurança. No caso do ouro, mesmo que esta demanda não apresente um crescimento tão forte no mercado interno, os investidores são favorecidos pela forte procura no mercado externo. Isso porque o ouro é uma commodity e, portanto, o seu preço é formado no mercado internacional e independe da região onde o minério foi extraído. A cotação no Brasil toma por base os negócios na Bolsa de Nova York, em dólar, referentes à onça troy - uma medida de peso equivalente a 31,1035 gramas. Veja mais informações sobre o mercado de ouro no link abaixo.No segmento de aplicações atreladas às taxas de juros, o rendimento bruto projetado dos fundos referenciados DI (pós-fixados) foi de 1,31%. Já os fundos de renda fixa prefixada registraram ganho de 1,20%. Os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) de 30 dias para médias quantias apresentou rendimento nominal de 1,28%. Para investidores que colocaram recursos na poupança, o ganho foi de 0,71%. No período, o Certificado de Deposito Interbancário (CDI) apresentou valorização de 1,40%.Mercado de ações em quedaO mês não foi bom para quem apostou em ações. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registrou queda de 1,71%, puxando para baixo o desempenho dos fundos Ibovespa passivos, que têm por objetivo acompanhar o rendimento do Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa. Veja mais informações sobre os fundos de investimento no link abaixo.O mercado acionário vem sofrendo com as incertezas do cenário político. Com pouca previsibilidade sobre a política econômica a ser adotada pelo próximo governo, os investidores ficam receosos em relação ao investimento em ações. Além disso, a taxa de juros real - juros nominal descontada a inflação - permanece alta. Com isso, a aplicação em ações perde atratividade.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.