Ouro sobe com dados ruins de EUA e Europa

Indicadores econômicos ruins de EUA, Alemanha e Reino Unido levaram investidores a apostarem que o Federal Reserve Bank (Fed, o banco central dos EUA) deverá ser obrigado a adotar, mais cedo ou mais tarde, novas medidas de estímulo à economia. Isso tenderia a fazer o dólar baixar e a inflação subir, o que alimenta a demanda por ouro. Consequentemente, o metal precioso fechou em alta de 2,02% em Nova York, a US$ 1.608,10 por onça-troy. Foi a primeira vez em duas semanas que o contrato mais negociado do ouro fechou acima do nível de US$ 1.600.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.