Outplacement é instrumento para recolocação profissional

Cientes de que enfrentar um processo de demissão é difícil para qualquer trabalhador, empresas procuram dar suporte aos seus novos ex-funcionários, fechando ciclos profissionais com oportunidades de recomeço. Exatamente nesse terreno, consultorias oferecem serviços de outplacement, processo cujo objetivo baseia-se na realização do desligamento harmonioso e da recolocação profissional dos colaboradores egressos.

O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2011 | 03h08

Contratante desses serviços quando era diretor de RH em uma organização, Reinaldo Frascino, de 54 anos, hoje faz uso do outplacement - ele se desligou no mês passado da empresa onde trabalhou por quatro anos. "Quem passa pela recolocação com uma assistência profissional conquista um autoconhecimento maior", avalia.

O outplacement surgiu nos Estados Unidos há mais de 30 anos como um instrumento para que organizações lidassem com processos de demissão provocadas por reestruturações e fusões. "A demissão deixou de ser somente uma punição", diz o diretor da Lens & Minarelli, José Augusto Minarelli.

De lado oposto ao dos headhunters, que trabalham na busca de talentos para as empresas, o profissional de outplacement coloca-se, segundo o diretor executivo da Recruiters, Othamar Gama Filho, como um aliado dos trabalhadores: "Ele é um opportunity hunter (caçador de oportunidade)", brinca.

Achar um novo emprego, no entanto, corresponde a apenas uma parte do serviço, na opinião de Minarelli. "O processo compreende os cuidados da separação e apoio aos dois lados. Há o antes, o dia e o depois."

Previamente, a consultoria realiza workshops com os gestores que precisam demitir, auxiliando-os a conduzir de forma respeitosa os desligamentos.

Após a demissão, ela orienta os ex-funcionários na criação de projetos de recolocação, que incluem realização de autoanálise, preparação dos argumentos em entrevistas e identificação do network. Segundo Minarelli, a conquista de um novo emprego pode variar de acordo com o perfil do profissional e do momento do mercado. "Às vezes, ela acontece em seis meses, às vezes, um pouco mais ou um pouco menos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.