Felipe Rau|Estadão
Felipe Rau|Estadão

Outubro tem melhor resultado para venda de veículos nos últimos 12 meses

Dados da Fenabrave mostram alta de 8,7% no comparativo com o mesmo intervalo de 2018

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2019 | 18h13

Outubro registrou o melhor mês em vendas de veículos novos em 12 meses, com um total de 253,4 mil unidades. O resultado é 7,9% acima dos números de setembro, mas 0,5% inferior ao de igual mês do ano passado, quer teve vendas de 254,7 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Os dados divulgados hoje pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) mostram que, no ano, as vendas somam 2,282 milhões de unidades, alta de 8,7% no comparativo com o mesmo intervalo de 2018.

Segundo o presidente da entidade,  Alarico Assumpção Júnior, “o ritmo de crescimento (mensal) permanece moderado e estável, e positivo no acumulado, o que é muito importante para os resultados do setor em 2019”. A alta de outubro ante setembro se deve, em grande parte, ao fato de o mês ter dois dias úteis a mais.

“Se considerarmos apenas os dias corridos, o mercado permaneceu, praticamente, estável, com uma pequena retração de 0,43%”, disse Assumpção, se referindo à média diária de vendas.

Mais vendidos no ano

No acumulado do ano, a General Motors segue como líder de mercado, com 17,9% de participação nas vendas de automóveis e comerciais leves. No grupo das cinco maiores marcas, o segundo lugar ficou com  a Volkswagen (15,4%), seguida por Fiat (13,8%), Renault (8,9%) e Ford (8,3%).

Já os cinco modelos mais vendidos de janeiro a outubro foram Chevrolet Onix (200,5 mil unidades), Ford Ka (86,4 mil), Hyundai HB20 (85,8 mil), Renault Kwid (70,9 mil) e Chevrolet Prisma (69,7 mil).

Na próxima quarta-feira, 6, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), divulgará dados de produção, exportações e empregos.

Férias coletivas e PDV

Apesar do desempenho positivo em vendas ao mercado interno, montadoras estão dando férias coletivas em razão da queda das exportações para a Argentina ou abrindo programas de demissão voluntária (PDV) para adequar a produção à demanda do mercado.

Cerca de 1,2 mil trabalhadores da Volkswagen de Taubaté (SP) estão em casa desde segunda-feira e só retornam no dia 18. A fábrica produz os modelos Gol, Voyage e up! e já tinha dispensado parte do pessoal por dez dias em setembro. Em ambos os casos, o motivo alegado pela montadora foi o recuo de embarques para o país vizinho, que passa por severa crise.

Em dezembro, todos os 3,1 mil funcionários da fábrica ficarão em casa entre as semanas de Natal e Ano Novo. O mesmo deve ocorrer nas unidades de São José dos Pinhais (PR) e São Carlos (SP), onde são produzidos motores.

Já a fábrica de São Bernardo do Campo (SP) dispensará cerca de 3 mil funcionários de dois turnos de trabalho por um mês a partir de 2 de dezembro e os demais entre os dias 23 e 3 de janeiro. Nesse caso, a empresa alega necessidade de preparar a fábrica para o início da produção de um novo carro em 2020 e pode também adotar o lay-off (suspensão de contratos de trabalho) por seis meses a partir de janeiro para um grupo de 1,4 mil operários.

A General Motors, por sua vez, abriu um programa de demissão voluntária (PDV) na fábrica de São José dos Campos (SP). A empresa não revelou metas, e apenas informou que fará um remanejamento de mão de obra para adequar a produção nas diversas unidades do complexo.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos local, funcionários do setor de motores serão transferidos para as linhas de produção da picape S10 e do utilitário Trailblazer. Ao todo, a unidade emprega cerca de 5 mil funcionários e, segundo a entidade, não haverá demissões. Será dispensado apenas o pessoal que aderir ao PDV.

A Toyota também definiu férias coletivas de 20 dias, a partir de 23 de dezembro, para os funcionários das fábricas de Indaiatuba e São Bernardo (SP) e de 15 dias para os da unidade de motores de Porto Feliz (SP), contados a partir de 26 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.