Ouvidoria da Anatel está vaga

Mais um fator surgiu na semana passada para agravar o complicado quadro de nomeações para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel): venceu na última quinta-feira o mandato de Aristóteles dos Santos, o ouvidor da agência. Como ele já esteve por quatro anos no cargo, não pode ser reconduzido mais uma vez. O mais cotado para ocupar a vaga, segundo fontes, é Nilberto Miranda, que ocupa hoje o cargo de assessor da Ouvidoria.Miranda foi chefe de gabinete do conselheiro Plínio de Aguiar Júnior, em 2005, e depois assumiu a Superintendência Executiva da Agência, em 2006, quando Aguiar presidiu da Anatel. Em julho passado, quando Ronaldo Sardenberg foi nomeado presidente do órgão, Miranda foi transferido para a Ouvidoria. O assessor é ligado à ala sindical do PT e chegou a ser indicado em 2006 pela Federação Interestadual dos Trabalhadores em Telecomunicações (Fittel) para assumir uma vaga de conselheiro da Anatel. Seu nome, porém, não emplacou.Caso Miranda seja confirmado para o cargo de ouvidor, significará a continuidade da gestão de Aristóteles dos Santos, que também foi indicado pela Fittel, entidade à qual foi filiado. Contaram, ainda, com o apoio da ala sindical os conselheiros da Anatel Pedro Jaime Ziller e Plínio de Aguiar Júnior. O presidente da Anatel foi escolhido pessoalmente pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o conselheiro Antônio Bedran entrou na cota do PMDB, apoiado pelo ministro das Comunicações, Hélio Costa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.