Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Ovos de Páscoa estão em média 12% mais caros, aponta FGV

Levantamento mostra que preço do produto subiu acima da inflação desde a última Páscoa, de 6,24%

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

30 de março de 2009 | 11h39

Os preços dos ovos de Páscoa do tipo mais consumido subiram cerca de 12% neste ano, segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgado nesta segunda-feira, 30. Este aumento médio também se posicionou acima da inflação média do período (ou seja, entre a Páscoa passada e a Páscoa deste ano) medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da fundação, que foi de 6,24% no período.

 

De acordo com a pesquisa da FGV, o valor médio do ovo de chocolate número 15 (entre 180g e 240g) passou de R$ 17,14 em março de 2008 para R$ 19,26 em março de 2009. Já o número 20 (de 375g) seguiu trajetória semelhante no mesmo período, com o preço médio passando de R$ 24,47 para R$ 27,50, na mesma base de comparação.

 

De acordo com estudo feito pelo economista da fundação, André Braz, entre as sete cidades participantes do levantamento, a que registrou a maior variação no valor do ovo de Páscoa entre os anos de 2008 e de 2009 foi Belo Horizonte, onde os preços subiram, em média, 20,22%. Em contrapartida, Porto Alegre ficou com o menor porcentual de aumento, com 6,79%.

 

Ainda segundo o levantamento, estas cidades também foram destaque quanto aos preços médios. Belo Horizonte registrou os maiores preços médios paras os ovos número 15 (R$ 20,57) e 20 (R$ 29,55). Enquanto a cidade de Porto Alegre registrou os menores preços para os ovos número 15 (R$ 18,50) e número 20 (R$ 25,88).

 

Em São Paulo, os ovos de Páscoa número 15 e 20 estão, em média, 10% mais caros este ano do que os apurados na mesma época do ano passado. Na mesma base de comparação, no Rio de Janeiro, os preços dos ovos número 15 estão 16% mais caros e os dos ovos 20, 17%.

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoPáscoa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.