PAC deve perder com fim da CPMF, diz consultor do Iedi

O ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda Julio Sérgio Gomes de Almeida, consultor do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), considera que o grande perdedor com o fim da CPMF é o desenvolvimento do País. Ele avalia que o candidato mais natural a perder recursos é o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), embora essa seja uma decisão difícil para o governo, que desenhou o programa. Em seguida, devem perder os setores contemplados pela nova política industrial, ainda não anunciada, porque ela tem um lado importante de renúncia fiscal. O setor elétrico/eletrônico e a indústria automotiva devem fazer parte da nova política industrial, conforme reiterou algumas vezes o Ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge.Para Almeida, no entanto, há um ponto positivo: a sociedade tem mesmo de resistir ao aumento de impostos, mesmo os provisórios. O que determina a necessidade do imposto é o gasto. "Então, é preciso cortar os gastos públicos para acabar com a necessidade do imposto", finalizou o executivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.