PAC é insuficiente para promover crescimento, diz Alckmin

O ex-governador de São Paulo e candidato derrotado nas eleições presidenciais de 2006, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta segunda-feira, em entrevista à Agência Estado, que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) anunciado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva é superficial e insuficiente para promover o crescimento econômico e social do País. "O programa não aborda as questões centrais que travam a economia, como a reforma tributária e as questões de natureza fiscal."Na avaliação dele, não houve nenhuma sinalização por parte do governo Lula de que a situação fiscal no País será favorável ao aumento dos investimentos do setor privado. "Além de não se abordar a reforma tributária, as reformas trabalhista e fiscal também passaram ao largo," comentou. O ex-governador também criticou o que classificou de "uso da redução do superávit primário" como forma de aumentar os investimentos públicos. "Isso dificulta a redução das taxas de juros", avaliou.Apesar das críticas, Alckmin disse que todo esforço para o desenvolvimento da economia e para a geração de empregos no País é muito bem-vindo. O tucano destacou, também, que não é possível atrair o setor privado e crescer de forma sustentada se não houver redução de gastos por parte do governo federal. Alcmin ressaltou ainda que apenas em 2006 o governo Lula aumentou em mais de 1% do PIB os gastos correntes. "Se não houver sinalização de cortes efetivos de gastos por parte do governo, o PAC será apenas um programa de boas intenções".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.