PAC lembra políticas dos anos 60 e 70, diz especialista

O economista Albert Fishlow, diretor do Centro de Estudos Brasileiros e do Instituto de Estudos Latino-americanos da Universidade de Columbia, em Nova York, vê a ênfase nos gastos públicos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) como uma "tentativa de voltar ao passado". "Todo mundo lembra bem do fim década de 60, década de 70, quando havia grandes investimentos públicos", afirmou em entrevista à BBC Brasil.Ele lembrou que, naquela época, a conseqüência negativa do volume elevado de investimentos públicos foi o aumento da inflação. "Agora, o governo quer investimentos públicos e ao mesmo tempo preservar a estabilização", afirmou. "Esta combinação é bem interessante, mas difícil de conseguir." "Grande pulo"O PAC prevê investimentos de R$ 503,9 bilhões entre 2007 e 2010 nas áreas de energia, transporte, habitação, saneamento e recursos hídricos. O maior montante é para área de energia, num total de R$ 274,8 bilhões.Do total de investimento, mais da metade - R$ 287 bilhões - devem vir dos cofres públicos, do Orçamento da União e das estatais. Outros R$ 216,9 bilhões seriam investidos pelo setor privado.Analisando as medidas do PAC, ele disse que não consegue ver elementos que indiquem um crescimento do PIB de 4,5% para este ano e de 5% ao ano para os três próximos, como prevê o estudo do Ministério da Fazenda. "Não tem lógica que indique como vai se dar este grande pulo", afirmou. Fishlow disse que existe um consenso entre especialistas de que é necessário investimento público especialmente na área de infra-estrutura, mas disse que o governo também precisa atrair investimento privado.Carga tributáriaO problema é que, para atrair investimento privado, o governo precisa reduzir seus gastos e também aliviar a carga tributária, itens que não foram suficientemente contemplados no PAC, na avaliação do economista."O incentivo maior para o investimento privado seria uma redução planejada, contínua, dos gastos públicos e dos impostos", afirmou.O maior problema da economia brasileira, segundo ele, é que os gastos do governo estão em torno de 40% do PIB, enquanto a carga tributária é de 38%."O plano não trata disso. Só prevê algumas reduções de impostos para incentivar alguns investimentos", disse. Alguns setores, como habitação e produção de TVs digitais e microcondutores, terão redução de impostos para incentivar a produção.O governo também anunciou a redução da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) e a diminuição dos spreads do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para investimentos em infra-estrutura, logística e desenvolvimento urbano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.