finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Pacote de ajuda chinês anima mercados asiáticos

Maior alta é registrada em Xangai, que sobe +7,27% no fechamento; em Tóquio, ganho chega a 5,81%

Agências internacionais,

10 de novembro de 2008 | 05h02

O pacote chinês de 4 trilhões de iuanes (586 bilhões de dólares) anunciado neste domingo, 9, animou os mercados asiáticos que fecharam o pregão desta segunda-feira em alta.   Veja também: Presidente da China diz que pretende cooperar com Obama Saiba os assuntos que serão discutidos no G-20 De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise    O maior ganho foi da  Bolsa de Xangai. O principal indicador aumentou  127,09, +7,27%, para se situar aos 1.874,80 pontos.   O índice Nikkei da Bolsa de Valores de Tóquio subiu 498,43pontos (5,81%), para 9.081,43 pontos. Já o indicador Topix, que reúne todos os valores da primeira seção, ganhou 36,52 pontos (4,15%), para 915,52.   Em Hong Kong, a alta do índice Hang Seng chegou a +3,16%, ao aumentar 450,68 e se situar aos 14.694,10.   Os outros mercados tiveram ganhos mais modestos. A Bolsa de Sydney fechou em alta de +1,33%; Seul +1,58%; Kuala Lumpur +0,94%; Cingapura +1,15%; Jacarta +0,42% e Manila +0,92%.   O pacote chinês de 586 bilhões de dólares prevê a utilização do valor até 2010 para impulsionar a demanda doméstica. Os investimentos serão concentrados em infra-estrutura, bem-estar social e outros setores importantes do país.   O plano também inclui aumentos no financiamento a pequenas e médias empresas. O comunicado divulgado no site do governo chinês afirma ainda que a China adotará uma política fiscal "ativa" e oferecerá ajuda de 120 bilhões de iuanes (cerca de US$ 17,5 bilhões) para as empresas.   Segundo a Xinhua, a China investirá 100 bilhões de iuanes em construção nacional neste trimestre e 20 bilhões de iuanes no ano que vem para a reconstrução em áreas atingidas por desastres naturais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.