Amr Alfiky/The New York Times
Amr Alfiky/The New York Times

Pacote de Biden para ajudar economia multiplica benefícios, mas pode ser enxugado no Congresso

Batizado de Plano de Resgate da América, o novo pacote fiscal soma US$ 1,9 trilhão, cerca de 9% do Produto Interno Bruto (PIB) do país

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2021 | 08h17

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, cumpriu sua promessa de campanha e anunciou na noite de quinta-feira, 14, suas propostas de estímulo para embalar a recuperação da economia americana.

Batizado de Plano de Resgate da América, o novo pacote fiscal soma US$ 1,9 trilhão, cerca de 9% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, e traz medidas de apoio direto aos mais afetados pela crise da covid-19. Entre elas, o aumento dos chamados cheques de estímulo econômico - aos moldes do auxílio emergencial brasileiro - de US$ 600 para US$ 2 mil. Análises consultadas pelo Estadão/Broadcast, porém, apostam que o projeto terá de ser enxugado para garantir aprovação no Congresso, apesar do democrata ter conquistado maioria na Câmara e no Senado.

Na avaliação da Capital Economics, qualquer pacote aprovado pelo legislativo terá metade do tamanho anunciado ou menos. "É difícil imaginar que haja votos suficientes no Senado para US$ 350 bilhões em ajuda para governos estaduais e locais", diz o economista-chefe da consultoria, Paul Ashworth, que também vê dificuldade em dobrar o salário mínimo pelo impacto na contas públicas dos Estados.

Para o Danske Bank, as obstruções devem levar o pacote a ser enxugado para US$ 1 trilhão, de forma a garantir uma aprovação rápida e atender as necessidades da economia local no curto prazo.

O ING diz que o pacote fiscal testará a capacidade de negociação de Biden, que terá de dialogar com a base e a oposição em meio ao julgamento do processo de impeachment de Donald Trump. "A questão do impeachment pode atrasar a ação dos congressistas sobre o pacote e, no mínimo, aumentar as tensões no Capitólio", avalia o banco holandês. A elevação de repasses a estados e municípios também deve enfrentar resistências, lembra a instituição, tal como foi no governo Trump.

Biden não propôs elevação de impostos na noite de ontem - sem aumento de arrecadação, o programa terá de ser financiado com mais emissão de dívida. Como mostrou o Broadcast, embora amplamente apoiada pelo mercado, que vê a política fiscal expansionista como a única saída em um contexto de juro básico na faixa entre 0% e 0,25% ao ano, a ampliação de gastos sob o governo democrata deve pressionar ainda mais as contas públicas nos EUA, acendendo alerta sobre a trajetória da dívida pública na maior economia do mundo, já em 130% do PIB.

Veja, abaixo, as principais propostas do pacote de Biden:

  • Pagamento de mais US$ 1.400 a cidadãos elegíveis em programa de transferência de renda, elevando o total a US$ 2.000. O valor se somaria aos US$ 600 já aprovados pelo Congresso em dezembro e que serão repassados ainda em janeiro.
  • Aumento do auxílio-desemprego de para US$ 400 por pessoa ao menos até setembro. Hoje, o benefício está em US$ 300.
  • Aumento do salário mínimo para US$ 15 por hora. A medida mais que dobraria o valor atual, de US$ 7,25.
  • Envio de US$ 350 bilhões a governos estaduais e locais.
  • Repasse de mais US$ 15 bilhões em subsídios para pequenas empresas.
  • Incremento de US$ 25 bilhões em plano de assistência de aluguel a famílias de baixa renda. Se aprovada, a proposta dobraria o atual programa e o estenderia seu vencimento de 31 de janeiro para 30 de setembro.
  • Alocação de mais US$ 20 bilhões no programa nacional de vacinação contra a covid-19 e de US$ 50 bilhões em testes da doença. O programa também permitiria a contração de mais profissionais da saúde.
  • Aumento de 15% em benefícios de vale-refeição para moradores de rua. O mecanismo, hoje válido até junho, também seria estendido até setembro.
  • Repasse de US$ 170 bilhões a creches e outras instituições voltadas a cuidados de crianças. Biden propõe, ainda, redução de impostos para escolas de educação infantil por um ano. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.