Pacote de Bush enfrenta debate

Republicanos e democratas estão negociando o formato do pacote de estímulo econômico e esperam que uma versão final possa ser votada até março. O pacote proposto por Bush na sexta-feira passada prevê um estímulo de US$ 145 bilhões - quase igual ao montante que os EUA gastam por ano na guerra do Iraque - por meio de restituições de imposto de renda de até US$ 800 para indivíduos e até US$ 1.600 para famílias. Mas cerca de 65 milhões de americanos que não ganham o suficiente para pagar imposto de renda ficarão excluídos do programa. Democratas querem expandir o pacote para atingir famílias de baixa renda e excluir aqueles que ganham mais de US$ 85 mil por mês. Os republicanos não concordam com a expansão do pacote e esse conflito pode acabar atrasando a aprovação. Um meio-termo seria incluir uma extensão de seguro-desemprego. Os republicanos querem que o pacote inclua incentivos fiscais para empresas - medida que pode ser aceita pelos democratas. Também há dúvidas sobre a rapidez com que o pacote será aprovado. "Espero que não demore muito, quanto mais demorar para o pacote entrar em vigor, mais tempo vai levar para o país sair da recessão?, diz Juan Manuel Licari, economista-sênior da Moody''s Economy.com. Economistas também acreditam que, para o pacote funcionar, ele deveria ser aliado a cortes maiores dos juros. A expectativa é que o Fed (banco central americano) reduza a taxa em sua reunião do dia 30. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.