finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Pacote de estímulo da China impulsiona mercados na Ásia

As bolsas de valores da Ásia fecharam em alta nesta segunda-feira depois que a China divulgou um plano de estímulo econômico de quase 600 bilhões de dólares, mais uma das muitas medidas tomada por governos para limitar as consequências da crise financeira global. Os preços das commodities também tiveram reação positiva ao pacote. Glen Maguire, economista-chefe para Ásia do Société Générale, disse que os cortes de juro, maiores gastos governamentais globalmente e uma provável recuperação dos investimentos corporativos no próximo ano devem semear uma recuperação econômica. "A atividade econômica só pode acelerar. Cuidado com os profetas do juízo final", disse Maguire. Os danos decorrentes da pior crise financeira desde a Grande Depressão foram destacados mais uma vez na sexta-feira, quando o governo dos Estados Unidos divulgou que a taxa de desemprego no país atingiu o patamar mais alto em 14 anos. Dados econômicos japoneses divulgados nesta segunda-feira também mostraram que as encomendas de máquinas sofreram a maior queda trimestral em uma década. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio encerrou o pregão com alta de 5,8 por cento, enquanto o índice da bolsa de valores de Xangai, na China, teve forte valorização de 7,27 por cento, o que ajudou a elevar o índice MSCI das principais ações asiáticas, com exceção do Japão. Um estrategista de ações do Citigroup disse em relatório que a saída de recursos dos mercados acionários da Ásia, excluindo Japão, já totaliza 20,2 bilhões de dólares, ou 37 por cento do dinheiro que ingressou entre 2003 e 2007 --um percentual similar à quantidade que saiu durante a crise de 1997-1998. O índice Kospi, da bolsa da Coréia do Sul, registrou alta de 1,6 por cento, tendo dificuldades inicialmente de estabilizar ganhos à medida que a Hyundai Motor se desvalorizou com a notícia do impacto do apoio norte-americano a sua abatida indústria automobilística. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sidney, na Austrália, fechou em alta de 1,4 por cento, impulsionado por ações da BHP Billiton da Rio Tinto, mesmo depois que o banco central do país cortou sua previsão de crescimento. Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 3,5 por cento, e em Cingapura, a valorização foi de 1,1 por cento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.