Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Pacote de infraestrutura está orçado em R$ 150 bi, diz líder do governo

Líder do governo na Câmara disse que o valor é falado por ministros, que participaram de longa reunião com Dilma no sábado

Nivaldo Souza e Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2015 | 15h32

BRASÍLIA - O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), disse nesta segunda-feira, 27, que a estimativa inicial de orçamento do pacote de concessões em infraestrutura preparado pelo Palácio do Planalto é de cerca de R$ 150 bilhões. As propostas que serão colocadas em leilão pelo governo foram alvo de reunião de dez horas da presidente Dilma Rousseff com ministros no sábado, 25, que terminou sem uma conclusão. 

"Acredito que tenha sido a reunião mais importante nos últimos três meses (de governo). Esse grande pacote está orçado inicialmente em torno de R$ 150 bilhões nas concessões de aeroportos, portos, ferrovias, etc. Foi o que inicialmente (circulou entre os ministros), mas óbvio que as contas estão sendo feitas", disse.

Guimarães disse que conversou com ministros que participaram da reunião para chegar ao número do que ele chamou de "grandioso pacote de infraestrutura para o País". "Num momento como este, (o pacote) retoma a iniciativa de colocar a economia para funcionar na sua plenitude", afirmou.


O líder governista disse que a chamada para participar do certame será aberta a construtoras estrangeiras, mas o governo deve priorizar empresas brasileiras. Segundo ele, mesmo se essas empresas estejam sendo investigadas pela Operação Lava Jato. "As empreiteiras eventualmente punidas, obviamente, não podem deixar de trabalhar", defendeu.

Guimarães ressaltou que as empresas alvo estão negociando acordos de leniência com a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU), o que pode habilitá-las. "A CGU e AGU estão cuidando com o máximo rigor (dos acordos)", disse.

Reunião. A presidente Dilma recebeu 13 ministros no último sábado, 25, para preparar uma série de pacotes de investimentos na área de infraestrutura. O primeiro deles deve ser anunciado dentro de duas semanas, com o já aguardado anúncio das concessões de quatro rodovias, de parte da ferrovia Norte-Sul e de três aeroportos (Salvador, Florianópolis e Porto Alegre).

A maior parte dos projetos está na gaveta do governo desde o ano passado. Na reunião de sábado,Dilma determinou a intensificação dos estudos para mapear o potencial dos investimentos. Chegou a pedir a inclusão de mais aeroportos no Nordeste e do Centro-Oeste na lista de concessões e cobrou iniciativas que tirem do papel projetos que se arrastam há vários meses. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.