finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Pacote de resgate não é 'panacéia', diz Paulson

Secretário do Tesouro dos EUA defende plano de US$ 700 bi no Congresso dos EUA.

Da BBC Brasil, BBC

18 de novembro de 2008 | 17h24

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Henry Paulson, disse nesta terça-feira, em depoimento no Congresso americano, que o pacote de US$ 700 bilhões aprovado no mês passado para ajudar empresas do setor financeiro em dificuldades não é uma "panacéia" para as dificuldades econômicas enfrentadas pelo país.Em companhia do presidente do Fed (Federal Reserve Bank, o Banco Central americano), Ben Bernanke, Paulson defendeu na Comissão de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes (deputados federais) a forma como o governo tem gerenciado o dinheiro do pacote, ressaltando que ainda pode demorar para que as medidas adotadas se reflitam em uma melhoria da economia."Vai demorar um pouco para que os empréstimos voltem a ocorrer e o nosso sistema financeiro seja reparado, o que é essencial para a recuperação econômica", disse o secretário.Ele também destacou a necessidade de o plano se adaptar às mudanças do cenário econômico. "Se nós aprendemos alguma coisa durante este ano, foi que a crise financeira é imprevisível e que é difícil de responder a ela", disse.Na semana passada, Paulson anunciou uma mudança no pacote inicial, aprovado com o objetivo de comprar os chamados papéis podres (títulos com alta chance de não serem honrados) de empresas em dificuldades financeiras. Em vez de usar o dinheiro para esse fim, o governo americano decidiu comprar ações dos bancos - uma estratégia considerada mais eficiente."Não há um manual para responder a um turbilhão que nunca enfrentamos", disse Paulson. "Nós ajustamos nossa estratégia para refletir os fatos em uma crise severa dos mercados."Indústria automobilística e hipotecasPaulson disse ser contra usar parte do dinheiro aprovado pelo Congresso para ajudar a indústria automobilística americana, que enfrenta sérias dificuldades.Os democratas no Senado propuseram na segunda-feira que US$ 25 bilhões do pacote sejam usados para ajudar o setor e, nesta terça-feira, executivos de três montadoras - General Motors, Chrysler e Ford - defenderiam em uma audiência no Congresso a liberação do dinheiro.O secretário disse que não entende que "esse seja o propósito" do pacote que, segundo ele, foi formulado para permitir o restabelecimento da liquidez e da estabilidade do mercado.Henry Paulson também manifestou ressalvas à idéia de usar parte do dinheiro para ajudar pessoas que contraíram financiamentos imobiliários e agora, sem ter como pagar a dívida, estão perdendo suas casas - algo que o presidente eleito, Barack Obama, defendeu durante sua campanha à Casa Branca. Segundo Paulson, o governo americano vai analisar formas de dar auxílio a essas pessoas.A presidente da Corporação Federal de Garantias de Depósitos (empresa estatal que oferece garantias aos depósitos nos bancos-membros), Sheila Bair, também prestou depoimento na comissão e assumiu uma posição diferente: ela defendeu que US$ 24 bilhões do pacote sejam usados para esse fim.Bair afirmou que o aumento no número de execuções de hipotecas mostra que o governo está "claramente ficando para trás" nessa área.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.