Pacote dos EUA inclui 'agrado' de US$ 150 bilhões

O Senado americano incluiu no projeto de lei, que autoriza o pacote de US$ 700 bilhões para estabilizar o sistema financeiro, vários ?agrados? aos republicanos, principais responsáveis pelo veto à primeira versão da lei. O pacote foi aprovado no Senado na noite de hoje por ampla margem - 74 votos a favor e 25 contra. Agora o projeto precisa passar pela Câmara, que deve votar até amanhã. Na tentativa de dobrar os republicanos, o novo projeto prevê mais de US$ 150 bilhões em incentivos fiscais a empresas. Entre as mudanças no texto, está o aumento no limite do seguro federal para contas correntes, de US$ 100 mil para US$ 250 mil, válido por um ano; a prorrogação de vários incentivos fiscais para empresas e mudanças em impostos. Essas eram reivindicações dos republicanos e podem ajudar a amolecer o bloco dos conservadores da Câmara. Mas as mesmas medidas podem desagradar a facção fiscalmente conservadora dos democratas, que se opõe à prorrogação dos incentivos fiscais sem encontrar fontes de receita proporcionais. Na segunda-feira, a Câmara vetou o projeto, provocando caos na bolsa e nos mercados de crédito. O plano permite ao Tesouro usar até US$ 700 bilhões para comprar dos bancos títulos podres - lastreados em hipotecas inadimplentes, pouco líquidos e difíceis de avaliar - e descongelar o mercado de crédito. Muitos congressistas consideraram suicídio político votar a favor do pacote, porque o resgate dos bancos é altamente impopular entre eleitores, que o consideram ?socorro para banqueiros?. Mais de dois terços dos republicanos votaram contra a lei.

Agencia Estado

01 Outubro 2008 | 23h48

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos pacote agrado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.