R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Pacote reduz carga tributária de construtoras

Alíquota de 7% sobre o valor da venda dos imóveis será reduzida a 1% nos empreendimentos do programa

Lu Aiko Otta, O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2009 | 00h00

O pacote da habitação anunciado ontem vai reduzir a carga tributária sobre as construtoras. Hoje, elas têm um Regime Especial de Tributação (RET), pelo qual recolhem 7% sobre o valor da venda dos imóveis e com isso quitam o Imposto de Renda, a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e o PIS/Cofins. Essa alíquota será reduzida para 1%, nos empreendimentos construídos pelo programa Minha Casa, Minha Vida. O corte na tributação vai constar de Medida Provisória (MP) que será divulgada hoje, disse o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. Ele não informou o valor da renúncia fiscal. A desoneração do produto final era uma antiga reivindicação das empresas, ressaltou o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão. O governo descartou, porém, outro corte de impostos que chegou a ser analisado durante a elaboração do pacote: "zerar" o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos materiais de construção. Hoje, a maior parte dos itens recolhe 5%. Essa "bondade" faria a arrecadação do tributo cair cerca de R$ 1,1 bilhão, valor considerado excessivo. O pacote também prevê a redução do principal tributo estadual, o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). No caso das prefeituras, poderá haver cortes no Imposto Sobre Serviços (ISS) e no Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). Este último é pago pelo mutuário, e vai de 2% a 3% do valor do imóvel. Compromissos com o corte desses tributos poderão figurar nos termos de adesão que prefeitos e governadores vão assinar com a Caixa. Poderá ainda haver compromissos com a doação de terrenos e aportes financeiros de Estados e municípios. Inicialmente, as casas serão distribuídas conforme o déficit habitacional, mas a divisão pode mudar para favorecer prefeituras e Estados que mais colaborarem. Pela divisão inicial, o Sudeste receberá 36,4% dos imóveis, seguido pelo Nordeste (34,3%), o Sul (12%), o Norte (10,3%) e o Centro-Oeste (7%). FUNDIÁRIA Outra MP vai formalizar o programa Minha Casa, Minha Vida e atacar o problema da regularização fundiária. Segundo o ministro das Cidades, Márcio Fortes, há no País grande número de terrenos que não se sabe quem é o dono. Brincando, ele comentou que a questão sucessória é tão complexa que às vezes é necessário pesquisar na Torre do Tombo, em Portugal, para saber quem era o dono da sesmaria onde hoje está o terreno. A MP vai autorizar o poder público a publicar editais chamando os proprietários do terreno. Se eles não aparecerem, será decretado o usucapião administrativo e a propriedade poderá ser regularizada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.