Pacotes devem ser adquiridos com critério

A venda de opcionais em pacotes é uma vantagem para quem compra um carro novo? Freqüentemente o consumidor reclama deles, mas há casos em que é mais vantajoso comprar os acessórios agrupados. Depende do item desejado."Desisti de comprar o Novo Corsa 1.0 porque o preço subiu significativamente com a adição de itens que eu não fazia questão de ter no carro", reclama o bancário Alexandre Leles, de 24 anos. Depois de pesquisar durante um mês, ele chegou à conclusão de que não compensava adquirir o hatchback. "Esses pacotes, na maioria das vezes, induzem o consumidor a aderir a mais itens."O bancário procurava um Corsa com direção hidráulica, travas e vidros elétricos e pintura metálica. Desistiu porque os vidros e as travas são oferecidos de fábrica num pacote que inclui antena eletrônica de teto, iluminação do painel de instrumentos, limpador e lavador do vidro traseiro, alarme, luzes de leitura dianteira e traseira e banco do motorista com regulagem manual de altura. Esse conjunto de opcionais custa R$ 2.225,00.Boa parte dos modelos da Ford também força o comprador a levar alguns itens que nem sempre ele deseja adquirir - ou não tem dinheiro suficiente. Isso porque algumas ofertas em grupo são cumulativas, ou seja: para ter o terceiro pacote, é necessário adquirir os dois primeiros.É o caso de um Fiesta Sedan Street 1.0 8V: se o comprador quiser equipá-lo com vidros dianteiros elétricos de fábrica será obrigado a comprar dois pacotes e desembolsar R$ 24.515,00.Na versão básica, o carro custa R$ 19.990,00. O primeiro pacote inclui ar-condicionado, direção hidráulica, banco traseiro bipartido e trava elétrica das portas. Com isso, o preço do sedã já sobe para R$ 22.751,00. O segundo pacote (que só é disponível com a aquisição do primeiro) inclui abertura interna elétrica do porta-malas, bolsa inflável para o motorista e, finalmente, os vidros elétricos dianteiros.Nesse caso, é mais vantajoso comprar o carro básico e instalar os vidros dianteiros elétricos em uma concessionária da marca. Numa autorizada de São Paulo consultada, esse opcional custa R$ 550,00, com um ano de garantia.Na visão das montadoras, oferecer opcionais em pacotes significa economia para elas e benefícios para os consumidores.De acordo com Thomas Buckup, gerente de Marketing do Produto da Volkswagen, cada pacote oferecido pela marca tem a própria identidade, priorizando o conforto, a esportividade ou a segurança. "Combinamos alguns opcionais para o cliente não ter de ficar escolhendo dezenas de alternativas na hora da aquisição. De uma maneira inteligente, conseguimos incrementar nossas vendas", diz. "Além disso, o prazo de entrega do carro é reduzido, já que a probabilidade de o modelo escolhido estar disponível na revenda é maior", acrescenta.Às vezes pacotes realmente podem ser compensadores. O comprador que deseje, por exemplo, conjunto de vidros elétricos para o Golf 1.6 pagará R$ 1.600,00 numa concessionária Volkswagen de São Paulo consultada. Por pouco mais do que isso - R$ 1.878,00 - pode comprar o Módulo Conveniência, que traz os vidros elétricos mais espelhos retrovisores externos elétricos, alarme e travamento das portas com acionamento a distância, com a vantagem de já vir de série.LógicaSegundo as montadoras, as amarrações dos pacotes são lógicas. "Há pacote que tem a capacidade de otimizar soluções de engenharia para agregar tudo no mesmo componente", afirma Reinaldo Siffert, gerente de produtos da Peugeot. "Quando colocado na própria fábrica, um pacote que inclui vidros e travas elétricos recebe apenas um chicote para instalação de ambos opcionais. Caso o consumidor prefira instalar o equipamento posteriormente em uma concessionária, cada um desses itens receberá um chicote, o que torna o preço final para o consumidor mais alto."O comprador ainda deve levar em consideração que, se o opcional instalado em uma concessionária apresentar algum defeito, o reparo em garantia só poderá ser realizado naquela autorizada. Já os itens de fábrica com defeito podem ser consertados em qualquer revenda da marca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.