Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Pacto entre RS e Ford garante salário de servidores

Indenização de R$ 216 milhões será usada para pagar parte dos vencimentos dos que ganham até R$ 2 mil

Cleide Silva e Wagner Machado, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2016 | 23h52

Acordo entre o governo do Rio Grande do Sul e a Ford trará um pequeno e momentâneo alívio para os servidores que ganham até R$ 2 mil líquidos. Dando fim a um entrave jurídico que durou 16 anos, o Estado receberá R$ 216 milhões e usará o dinheiro para pagar parte dos salários dos servidores que está sendo parcelado há quase dez meses.

O governo informa que divulgará nesta terça-feira, 29, quantos funcionários terão a remuneração paga na íntegra e qual o calendário para quitar a folha de novembro dos demais trabalhadores.

O processo contra a montadora foi movido em 2000 pelo então governador gaúcho, Olívio Dutra (PT), após a montadora desistir de construir uma fábrica de carros em Guaíba, na Grande Porto Alegre.

A montadora americana havia se comprometido a instalar a unidade em 1998, após negociações com o então governador Antônio Brito (PMDB), que estabelecia vários benefícios fiscais, incluindo empréstimo subsidiado de R$ 210 milhões pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul).

No ano seguinte, com a derrota de Brito ante Dutra na eleição, o novo governador decidiu rever o acordo e suspender parte dos benefícios, o que levou a Ford a desistir do projeto.

O governador baiano da época, Antonio Carlos Magalhães, publicou anúncios em jornais convidando a Ford para levar a fábrica para o Estado e, com oferta de benefícios superiores, atraiu o projeto para Camaçari, onde hoje existe um complexo que reúne a fábrica de carros e diversos fornecedores de componentes. A Ford já havia recebido R$ 42 milhões do Banrisul e o Estado também havia bancado obras de infraestrutura no terreno, por isso Dutra foi à Justiça.

Em nota, a Ford confirmou ontem ter celebrado o acordo para pagamento de R$ 216 milhões. “Essa decisão reitera o compromisso da empresa com o Estado, onde foi instalado recentemente, em Gravataí, o Centro de Distribuição de Peças da Ford para atender à Região Sul do País”, diz o texto.

O atual governo gaúcho, de Ivo Sartori, discute agora com a General Motors a antecipação de créditos de benefícios pagos para a construção da fábrica em Gravataí. Os valores podem chegar a R$ 130 milhões, relativos a benefícios fiscais que deveriam ingressar no Tesouro em 20 anos. Repasse da multa do programa de repatriação também deve ser revertido para pagar o funcionalismo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.