Padrão no mercado de trabalho não dá sinais de mudanças

ANÁLISE

José Paulo Kupfer, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2014 | 02h02

Ainda não foi desta vez que apareceram mudanças no padrão de comportamento do mercado de trabalho - e tudo indica que essa mudança pode demorar. Os dados de julho, tanto da criação de vagas formais quanto da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE, continuam mostrando lenta redução na População Ocupada (PO) e, ao mesmo tempo, recuo na População Economicamente Ativa (PEA), daí resultando estabilidade da taxa de desemprego em nível baixo.

Assim, embora a criação de vagas, em julho, tenha sido a mais fraca para o mês desde 1999, a taxa de desemprego permaneceu praticamente estável, no menor nível para julho desde 2002. Do ponto de vista das vagas formais, feito o ajuste sazonal, o resultado de julho foi até melhor do que o de junho. Como, provavelmente, o fundo do poço do atual ciclo de crescimento da economia terá se dado em junho, a tendência é de melhora, ainda que bastante modesta, no volume de vagas abertas.

De todo modo, comparando com 2013, a situação do mercado de trabalho revela deterioração. Esta situação se deve, em boa medida, às dificuldades específicas enfrentadas pelo setor industrial. Depois de fechar quase 30 mil vagas em junho, a indústria eliminou outras 15 mil em julho. Agropecuária e serviços continuam com mais contratações do que demissões.

Condições demográficas estruturais, capazes, por exemplo, de acentuar a tendência de redução do ritmo de expansão da População em Idade Ativa (PIA), ajudando a reduzir o passo de avanço da PEA, se combinam para sinalizar que as taxas de desemprego continuarão baixas, talvez por um período mais prolongado do que antes se previa. Prova disso é que, mesmo com a economia desaquecida, os salários de admissão e de demissão continuam crescendo acima da inflação.

De outro lado, porém, repetindo o ocorrido em meses anteriores, em julho, o salário de admissão se manteve abaixo da remuneração de demissão. Um indicador de que já não está tão fácil quanto antes encontrar uma vaga no mercado de trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.