Paes acusa Queiroz Galvão de criar farsa para acelerar repasse de obra olímpica

O prefeito Eduardo Paes (PMDB) rejeitou nesta quinta-feira, 2, o argumento da empreiteira Queiroz Galvão de que a falta de pagamento do governo federal põe em risco os empregos e obras no Complexo Esportivo de Deodoro, na zona oeste, onde serão disputadas 11 modalidades nos Jogos Olímpicos. Paes disse que a prefeitura tem antecipado pagamentos que cabem à União quando há atrasos no repasse das verbas federais, causados, segundo ele, por excesso de instâncias de controle. Ele acusou a empreiteira de criar uma "farsa" para pressionar a prefeitura e descartou restrições de verbas às obras olímpicas por conta do ajuste fiscal.

LUCIANA NUNES LEAL E MARIANA DURÃO, Estadão Conteúdo

02 de abril de 2015 | 19h56

A Queiroz Galvão deu aviso prévio a 480 empregados e avisou que a falta de pagamento era a razão das demissões, que serão efetivadas se não houver novos repasses. Ontem, 70 operários que estavam em período de experiência, e não precisavam de aviso prévio, foram demitidos. Fontes da empreiteira disseram que os 70 seriam dispensados de qualquer forma, porque a etapa da obra para a qual foram contratados estava concluída.

Mais 550 funcionários em período de experiência foram comunicados que também poderão ser demitidos se a União e a prefeitura não pagarem o que devem. Ao todo, 1.100 operários trabalham no complexo.

"As pessoas (demitidas) estavam em estágio probatório ou algo assim e eles (Queiroz Galvão) não precisavam mais desses 70 caras. Em qualquer ata de reunião de empreiteiro que você pegar, o empreiteiro vai chamar quem paga ele de chefe, vai reclamar que os pagamentos estão atrasados e que são menores do que tinha a receber. Não há atrasos nos pagamentos", disse Paes ao jornal "O Estado de S. Paulo".

Contratado há cinco meses, o ajudante de obras André de Souza entrou na leva dos demitidos na quarta-feira. "Me disseram que a empresa não teria dinheiro para pagar os funcionários enquanto o governo não repassasse a verba. Está todo mundo trabalhando no aviso (prévio), esperando o prefeito pagar", disse.

Para apagar o incêndio, o prefeito convocou à tarde uma visita da imprensa ao local. Paes garantiu que a construção está "a pleno vapor" e será entregue no prazo, até o fim de novembro. E acusou a Queiroz Galvão de usar estratégia de comunicação "jurássica" de pressão para acelerar repasses. "Falta muito para uma empreiteira me dar um ultimato. Quem dá ultimato aqui sou eu. É uma farsa para pressionar a prefeitura", afirmou.

A prefeitura afirma que já repassou R$ 110 milhões à obra da Queiroz Galvão em Deodoro, orçada em R$ 640 milhões. Fontes ligadas à empreiteira dizem que o cronograma previa repasses mensais, mas só foram pagos até agora R$ 60 milhões, em janeiro. A empresa cobra R$ 80 milhões do governo federal, que negocia com o Congresso medidas de ajuste fiscal que implicam mudanças em regras trabalhistas e cortes de gastos.

O prefeito descartou qualquer restrição do governo à liberação de recursos para obras olímpicas. "Não há contingenciamento para Deodoro. O que existe é controle. É tanta roubalheira que a gente vê, que todo dia inventam um controle diferente. Atrasa tudo a não resolve a roubalheira. De R$ 6,5 bilhões de obras para Olimpíada, o governo federal paga R$ 1,2 bilhão. Não falta um tostão. Os ministros Aloisio Mercadante (Casa Civil) e Joaquim Levy (Fazenda) me ligam para saber se foram liberados os recursos."

Em nota, o consórcio responsável por Deodoro disse que as obras estão em dia e que o aviso prévio aos 480 operários é "medida preventiva que certamente será revertida com a regularização dos pagamentos relativos às etapas construtivas executadas, pagamentos esses já em andamento na Prefeitura". O consórcio é formado pelas empreiteiras Queiroz Galvão e OAS, ambas investigadas na Operação Lava Jato, que apura o esquema de corrupção na Petrobras.

O jornal teve acesso à ata da reunião em que o consórcio comunicou a decisão de dispensar funcionários por falta de repasses do governo para a obras. Segundo fontes, o governo não foi pego de surpresa pela notícia das demissões. Paes disse que, em conversa por telefone, o presidente da Queiroz Galvão acusou o sindicato de vazar para a imprensa as informações da ata, mas não se convenceu. "É uma estratégia burra (da empresa)", disse. (Colaborou Alexa Salomão)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.