Pagamento à vista é a melhor opção

Ao decidir a forma de pagamento das compras de Natal o consumidor deve ter cuidado para não acumular muitas dívidas no mês de janeiro e, com isso, acabar entrando no cheque especial, que cobra juros de 7%, em média. A melhor opção continua sendo fazer uma pesquisa de preços e pagar à vista com desconto.Segundo o vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, mesmo estando mais baixas que em 1999, as taxas de juros continuam elevadas. "Se não for possível fugir da compra a prazo, procure optar por um financiamento no menor espaço de tempo para pagar menos em juros", recomenda. A taxa média do mercado para financiamento em até 6 vezes é de 3% ao mês e, em até 12 vezes, de 6,9% ao mês. Oliveira orienta aqueles que não têm condições de financiar a dívida por curto prazo a adquirirem um financiamento direto com o banco onde possui conta e pagar a compra à vista com desconto. É que o juro cobrado no Crédito Direto ao Consumidor (CDC) dos bancos, 3,9% ao mês, é menor do que o das financeiras. Na Credicerto, por exemplo, os juros vão de 4% a 6,5% ao mês; na Fininvest, é de 6,7%; e na Losango, de 6,1% ao mês. O crédito rotativo do cartão de crédito é o mais alto: 10,28% ao mês, em média.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.