carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Pagamento antecipado reduz receita do FMI

O pagamento antecipado, em dezembro e janeiro, das dívidas do Brasil e da Argentina vai reduzir a receita do Fundo Monetário Internacional (FMI) e forçar a instituição a buscar novas alternativas para custear sua estrutura. O pagamento antecipado reduziu a previsão de receita para o ano fiscal 2006 (que acaba em março deste ano) de US$ 280 milhões para US$ 156 milhões. Por outro lado, a capacidade de empréstimos do Fundo para os próximos 12 meses, atingiu um nível recorde de US$ 162 bilhões.Brasil e Argentina eram até o ano passado os dois maiores devedores da instituição. Se a instituição recebeu no ano fiscal de 2006 uma receita inesperada, por outro lado vai perder em 2007 e nos anos seguintes os recursos previstos do pagamento dos juros. Dos US$ 23,3 bilhões pagos no ano passado pelo Brasil ao Fundo, US$ 1,5 bilhão era referente a juros. De acordo com o governo brasileiro, o país economizou US$ 900 milhões em juros.Queda O montante total de recursos emprestados pelo Fundo caiu de US$ 56 bilhões em novembro do ano passado para US$ 31 bilhões no início de janeiro - o que representa o menor nível de empréstimos em aberto do Fundo desde o início dos anos 80.O Fundo considera o pagamento antecipado "um sinal bem vindo" de que Brasil e Argentina "foram bem sucedidos no fortalecimento de suas posições externas". Mas diz que a instituição vai ter que buscar outras fontes de receita para manter a estrutura funcionando.Alternativas Entre as alternativas estudadas pelos técnicos, estão a cobrança por serviços prestados e a aplicação do capital do Fundo em investimentos mais rentáveis. O diretor de comunicações do FMI, Thomas Dawson, confirmou que o Fundo teria que analisar outras fontes de financiamento. Com a saída do Brasil e Argentina da lista de devedores, Turquia, Indonésia e Uruguai são os países com maiores empréstimos junto ao FMI. A Turquia deve US$ 14,8 bilhões, a Indonésia, US$ 7,9 bilhões e o Uruguai, US$ 2,3 bilhões.

Agencia Estado,

27 de janeiro de 2006 | 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.